FANDOM


Íconedeera-RogueÍconedeera-AssassinosÍconedeera-Templários

"Manter os princípios da nossa Ordem e tudo aquilo que representamos. Nunca compartilhar os nossos segredos ou divulgar a natureza do nosso trabalho. Fazê-lo até a morte – a qualquer custo. Esse é o meu novo credo. Eu sou Shay Patrick Cormac, templário do Colonial... do Rito Americano. Sou um homem mais velho, e talvez mais sábio. Uma guerra e uma revolução terminaram, e outra está prestes a começar. Que o Pai da Compreensão nos guie a todos."
―Shay Cormac, declarando sua lealdade à Ordem dos Templários.[src]
Shay Cormac
ACRG Shay Sem Capuz
Informações biológicas
Nasceu em

1731
Cidade de Nova Iorque, Nova Iorque, América Britânica

Informações políticas
Afiliações

Assassinos (1748 – 1756)
Templários (1756 – desconhecido)
Marinha Real (1756 – 1760)
Tripulação do Morrigan

Informações do mundo real
Aparece em

Assassin's Creed: Rogue

Dublador

Steven Piovesan (inglês)
Alexandre Moreno (português)

Shay Patrick Cormac (1731 – desconhecido) foi um membro do Rito Colonial da Ordem dos Templários durante o século XVIII.

BiografiaEditar

Início da vidaEditar

Shay Cormac nasceu em 1731, na cidade de Nova York, em uma família de irlandeses imigrantes. Sua mãe morreu no parto, e seu pai era frequentemente ausente em casa devido a sua profissão na marinha mercante, deixando Shay com sua tia, quem o criou. Vivendo em uma parte perigosa da cidade, Shay muitas vezes se metia em encrencas mas era sempre salvo por seu melhor amigo, Liam O'Brien

Eventualmente, Shay se juntou ao seu pai no mar, e, embora tenha perdido a companhia de seu melhor amigo, ele ansiosamente começou a treinar pontaria e alguns tipos de luta com a tripulação. No entanto, uma tragédia acontece em 1747, quando uma forte tempestade causou a morte de membros da tripulação incluindo o pai de Shay.

Despedaçado e desolado, Shay vagou pelas ruas de Nova York, provocando brigas em bares, até que em uma dessas brigas ele é ajudado mais uma vez por Liam. Mais tarde nesse ano, Liam apresenta Shay ao seu Mentor Achilles Davenport e a Ordem dos Assassinos. Shay se dedicou por quatro anos inteiramente a Ordem, da qual serve obedientemente. No entanto, ele sempre questionava os motivos da guerra dos assassinos e dos Templários. Com o tempo, frequentemente ele expressa mais essas dúvidas, questionando Liam sobre a moralidade das ações dos Assassinos e o Credo e o fato que a Ordem fala tanto de liberdade mas ele se sente tão preso e obrigado a seguir seu mentor.

Missão no AtlânticoEditar

Way the Wind Blows 10

Em 1752, durante uma missão no Atlântico Norte, Shay e Liam se reúnem com o outro assassino Louis Joseph Gaultier Chevalier de la Vérendrye, já que era programado para eles reunirem-se com contrabandistas que transportam cargas valiosas, porém os contrabandistas foram interceptados e capturados pela Marinha Real, Shay se infiltra no acampamento e elimina os guardas britânicos logo depois ele se apossa de um navio que estava aportado perto do acampamento contrabandista, um navio de guerra chamado Morrigan. Liam e Chevalier concordam em manter o navio com Shay, sendo Liam o segundo em comando, então eles voltam a fazenda dos Assassinos Coloniais, o Davenport Homestead.  

Caçando os artefatosEditar

Enquanto na fazenda, Shay e Liam testemunham a chegada de Adéwalé, um membro da Ordem dos Assassinos do Caribe, edle estava lá para conversar em particular com Achilles sobre um terremoto que destruiu Port-au-Prince um ano antes, Shay ouve a conversa e não entende quase nada, apenas que um artefato da Primeira Civilização destruiu Port-au-Prince. Shay então vai treinar sob a orientação de Liam, Hope Jensen e Kesegowaase que o instruirão a atirar, matar em furtividade e caçar. Então Shay se reune com Achilles para receber uma nova missão, que se baseava em rastrear e obter dois artefatos da Primeira Civilização roubados pelos Templários no Haiti, a caixa dos Precursores e o manuscrito Voynich.

Morte de Washington

Após o encontro com Chevalier de la Vérendrye e seu informante Le Chasseur, Shay viaja para o Monte Vernon, a casa do mestre dos Templários, Lawrence Washington (irmão mais velho de George Washington), a fim de interceptar um pacote e saber sobre os dois artefatos. Tendo pego um rifle de ar de um navio ancorado, Shay se infiltra na mansão de Washington e assiste uma reunião entre Lawrence e outros três templários, Samuel Smith, James WardropJack Weeks. Lawrence atribui a Smith e Wardrop o objetivo de guardar a caixa e o manuscrito. Logo após isso, Washington vai a uma festa no jardim, Shay consegue se misturar e o mata, após a fuga Shay expressa decepção e se culpa pela morte de Lawrence, que já estava sofrendo de um caso terminal de tuberculose.

Poucos meses depois, Shay rastreia Samuel Smith no mar, que tenta fugir com a caixa dos Precursores, embora o navio de Smith tenha causado sérios danos ao Morrigan em uma batalha intensa, Shay continua a perseguição e eventualmente, alcança e assassina Smith recuperando o artefato.

Em 1754, com as tensões entre franceses e britânicos a beira de uma guerra, Shay viaja para Albany, Nova York, para eliminar James Wardrop. Depois de observar William Johnson e Benjamin Franklin conversando no Congresso de Albany, Shay vai para Fort Frederick para assassinar Wardrop e recuperar o manuscrito Voynich, desconsiderando as alegações de Wardrop que ele estava pondo em perigo o mundo. Shay pega o artefato ignorando os avisos dele.

Examinando o mapa

Com ambos os artefatos em sua posse, Shay e Hope contam com a ajuda de Franklin para ativar os dispositivos. Após remontar a máquina de iluminação construída por Franklin, Shay observa como a carga elétrica alimentava a caixa, projetando um display holográfico do globo com uma luz cintilante sobre o local de um Templo da Primeira Civilização em Lisboa, Reino de Portugal. Com essas informações, Achilles encarrega Shay de viajar para Lisboa para investigar o Templo e recuperar o Pedaço do Éden.

A guerra entre franceses e ingleses se inicia, explode a Guerra dos 7 Anos com as tropas do Rei Louis XV da França degladiando contra as tropas do Rei George II da Grã-Bretanha na América do Norte.

Desastre em LisboaEditar

Shay com o artefato

Chegando na Europa em 1755, Shay vai para a Festa de Todos os Santos, no coração de Lisboa. Enquanto o padre realizava a missa, Shay entra no Templo e se aproxima da Piece of Eden, artefato em forma de estrela suspensa sobre um pedestal, e a remove de seu lugar. No entanto, a remoção do artefacto desencadea um enorme terremoto. Shay consegue fugir e chegar ao seu navio onde parte furioso para casa.

LiberdadeEditar

Discução

Chegando de volta ao lar dos assassinos, Shay invade a mansão e acusa Achilles de genocídio, sabendo o perigo que o artefato poderia causar, lembrando do terremoto no Haiti. Recusando-se a servir sob um homem que iria ignorar tal destruição e perda de vidas, Shay resolveu roubar o manuscrito, a fim de impedir que os assassinos encontrem outros templos. Shay rouba o artefato e quando estava prestes a fazer a sua fuga é confrontado por Achilles, durante a luta Shay foge por uma janela quebrada. Tentando fugir dos assassinos Shay chega a um penhasco e tenta pular mas é atingido por Chevalier de la Vérendrye com um tiro no ombro e cai no mar.  

Voltando a AtivaEditar

BerryeCasidy

Shay foi resgatado e colocado sob os cuidados de Barry e Cassidy Finnegan a mando de um templário britânico, o coronel George Monro, que pede para Shay impedir a execução de Christopher Gist, um dos aliados de Monro, já que as gangues tinham capturado e planejavam enforca-lo.  

A Long Walk And A Short Drop 10

Shay consegue salvar a vida de Gist e mata os membros da gangue presente. Shay se reune com Monro e os dois armam um plano para atacarem o forte onde o assassino Le Chasseur estava, ao chegar no forte os dois duelam e Shay sai vitorioso, Le Chasseur revela que um grupo de criminosos em Nova York esta criando um gás venenoso que planejava usar contra as autoridades coloniais. Determinado a parar os criminosos, Shay volta para a cidade. De volta a cidade Monro diz a Shay que Benjamin Franklin estava desenvolvendo certas armas para uma mulher desconhecida, e pede para que Shay visite o inventor. Franklin lhe da um protótipo de lançador de granadas, que Shay pode usar para destruir os tanques de gás venenoso no distrito industrial, e parar a produção completamente. Depois de terminar a tarefa, Shay se reune com Monro e Gist em um telhado próximo, onde eles elogiam as ações de Shay. Enquanto eles observavam a fábrica destruída, Jack Weeks e William Johnson  se juntam a eles e felicitam Shay em seu trabalho, o grupo vai para uma taverna próxima para celebrar seu sucesso. 

Cerco de Fort William HenryEditar

Honour And Loyalty 4

Em 1756 Shay recebe um pacote de Coronel Monro. Dentro, ele encontrou o manuscrito Voynich e uma carta do coronel. Shay soube do envolvimento de Monro em seu socorro e recuperação, após a deserção de Shay da Irmandade, Shay descobre que o coronel Monro estava em perigo e resolve ir ajuda-lo, Shay leva Monro ao Morrigan, mas Kesegowaase aparece na costa, enfurecido que Shay tinha sobrevivido e se aliado com os Templários. Kesegowaase vai atacar Shay mas é ferido brutalmente por uma explosão.

Algum tempo Shay chega ao forte com Monro que estava lutando contra uma onda de inimigos. Vendo Kesegowaase, Shay persegui e mata o Assassino ameríndio e descobre que Liam havia matado o coronel Monro e descobre que o assassino havia levado o manuscrito. Mais tarde, Shay conhece seu Grão-Mestre, Haytham Kenway , com Christopher Gist, Jack Weeks, William Johnson e Charles Lee presentes na cerimônia que o transformam em um Templario.

Caçando os AssassinosEditar

Eventualmente, Shay e Haytham conseguem localizar Adewale. Adewale e Haytham tem uma breve discussão sobre Edward Kenway, pai de Haytham, e Adewale diz que Edward iria se decepcionar com Haytham por este ter se tornado um templário. No entanto, isto distraíu Adewale, permitindo Shay para chegar perto do Assassino e engajá-lo numa batalha. Mortalmente ferido durante a luta que se seguiu, Adewale diz a Shay que sua morte faria pouco para parar Aquiles, que havia encontrado os meios para localizar os sítios da Primeira Civilização. Antes de sucumbir aos seus ferimentos, Adewale lamentou o quão longe Shay tinha caído para servir os Templários, declarando-o um monstro. Shay lamentou que o insulto pode ser verdade.

Assassins-creed-rogue-shay-and-haytham

Shay posteriormente viajou para Nova York, e ouviu de Aquiles e os outros Assassinos falando sobre replicar o experimento de Franklin na caixa do Precursor. Shay se reúne com Haytham após o assalto bem sucedido, assim como o Grão-Mestre estava interrogando um membro de gangue para descobrir a localização de Hope. 

Hope detectou Shay e atirou para fora da janela no alto, fazendo-o cair para a câmara. Ela então tirou a máscara de gás de Shay e liberou vapores venenosos para o local e fez a sua fuga. Cuidadosamente, Shay conseguiu deixar a câmara e viu Hope, no entanto, ela atirou nele com um dardo envenenado que afetou sua freqüência cardíaca. Para manter sua vida, Shay perseguiu Hope em toda a cidade, acabou assassinando-a e roubou o antídoto que ela guardava. Como ele expressou remorso por matá-la, Hope revelou que seu desvio tinha dado a Chevalier tempo suficiente para escapar, e lamentou sobre o que viu como um desperdício de potencial de Shay em ajudar os Templários. Apos o assassinato Shay parte em busca de Chevalier. Apos uma armadilha de vários navios Shay foi capaz de afundar os navios inimigos, antes de embarcar no navio de Chevalier e o matar.

Confronto no ÁrticoEditar

Últimoconfronto

Shay relatou suas descobertas para Haytham, que se juntou a ele na viagem ao Artico. Shay e Haytham se encontram com Aquiles e Liam. Enquanto Achilles admitiu que estava errado sobre os artefatos, Liam ainda condenou Shay por trair a Irmandade, e tentou atirar em Shay, mas foi contido por Aquiles. Após uma breve luta, Liam caiu sobre o artefato, perturbando o Templo e desencadeamento um terremoto. Shay persegue Liam através das cavernas, enquanto Haytham perseguia Achilles. 

Eventualmente, como os ex-companheiros lutaram entre si, o precipício sob eles cederam, fazendo-os cair. Shay sobreviveu à queda, enquanto Liam foi mortalmente ferido. Com seu último suspiro, Liam ainda estava firme em sua convicção da traição de Shay, que este último justifica como uma tentativa de salvar o mundo. Liam afirmou ironicamente que esperava que o mundo de Shay e dos Templários fosse boa coisa, antes de falecer. Shay recuperou o manuscrito de seu corpo, e voltou para encontrar Haytham.

Ele encontra Haytham superando Aquiles em combate, e parou o Grão-Mestre do Rito Colonial Britânico da Ordem dos Templários de fazer um golpe no Mentor da Irmandade dos Assassinos Coloniais Britânicos, Aquiles soube então do perigo dos locais precursoras, e se ele morresse, os assassinos cegamente continuariam sua busca pelo templos. Relutantemente, Haytham concordou com o raciocínio de Shay e poupa a vida de Aquiles, mas para garantir que ele não iria ficar no caminho dos Templários, Haytham acaba com a mobilidade do The Mentor com um tiro na perna. Enquanto o Rito Colonial assumiu a tarefa de expurgar a Irmandade restante, Haytham pediu a Shay rastrear e recuperar a caixa de Precursor, embora Shay admitiu que a sua única pista foi que Chevalier transportou para longe das colônias americanas, e que poderia levar anos para que os Templários pudessem encontrar a caixa novamente. 

Viagem para FrançaEditar

ACRG Assassination 6

Em 1776, Shay estava presente em Paris buscando informações sobre a caixa de Precursor estar na posse de um assassino francês, Charles Dorian . Shay se junta a Benjamin Franklin, que estava lá para convencer o novo Rei da França, o jovem Louis XVI, neto do Rei Louis XV, derrotado na Guerra dos 7 anos pelo Rei George II da Grã Bretanha, a se aliar aos rebeldes americanos para que pudessem juntos derrotar as tropas do Rei George III, neto do Rei George II, dando uma oportunidade dos franceses se vingarem dos britânicos. Os dois entram no Palácio de Versalhes e se separam, com Benjamim Franklin indo atrás do Rei e Shay atrás de seu alvo. Após ter se infiltrado no palácio, Shay localiza Charles e o mata, recuperando a caixa Precursora no processo. Charles fala que Connor e a Revolução Americana iria frustar os planos dos Templários no Novo Mundo.

Personalidade e característicasEditar

Shay era um jovem impetuoso. Ele não levou o seu papel como um assassino a sério, não porque ele não acreditava na causa, mas porque ele era jovem e imprudente. No entanto, após um evento muito traumático, Shay mudou de ideia e se tornou um personagem sombrio e dedicado. Ele repensou toda a sua filosofia e sua lealdade aos assassinos, percebendo que as metas e métodos dos templários estavam mais de acordo com suas próprias crenças; este fervor o levou a perseguir seus ex-irmãos de armas para algo que ele acreditava ser o melhor caminho. 

Equipamentos e habilidadesEditar

Shay parecia ser um capitão experiente, perito em navegar no Morrigan através das águas geladas do Atlântico Norte, Shay também mostrou ser um espadachim habilidoso, empunhando duas armas blindadas com grande eficiência.

Entre seu arsenal de armas, Shay contou sua Lâmina Oculta, uma espada e um Lâmina curta, duas armas de fogo, dardos de corda, rifle de ar e incrivelmente um lança-granadas (de efeito moral). Para se proteger de bombas de fumaça e vários gases, Shay geralmente carregava uma máscara de gás.

LegadoEditar

As ações de Shay, mais especificamente o assassinato de membros do alto escalão dos Assassinos teve um efeito duradouro sobre a Guerra dos Assassinos Contra Templários nas colônias. Os Templários Coloniais mantiveram o domínio sobre as colônias, enquanto que os assassinos foram praticamente eliminados, com exceção de Achilles que foi forçado a se esconder no Davenport Homestead. Os assassinos nunca iriam recuperar uma posição até a chegada de Ratonhnhaké:ton, que fez os Assassinos se recuperarem, mas não tanto quanto eles eram durante a Guerra dos Sete Anos.

O assassinato de Charles Dorian deixou o seu filho sozinho, Arno Dorian. Arno foi logo adotado pelo Grão-Mestre François de la Serre, e Arno iria tornar-se um Assassino mais tarde. Shay, no entanto, não é o único Templário na história da família Cormac, como seu neto, Cudgel Cormac, também era um membro ativo da Ordem durante o século 19, em Nova York.

Shay também é altamente reverenciado entre os dias modernos pelos templários, especificamente o Mestre Templário Juhani Otso Berg. Juhani viu Shay como o exemplo perfeito do que um templário deve ser, e idolatrava a tal ponto que o traje de Juhani lembra um pouco roupa Templária de Shay. Juhani também fez uso de memórias genéticas de Shay para enfraquecer os Assassinos espiritualmente, mostrando que no fim, o que eles querem não é liberdade, mas Ordem, assim como os Templários. Ele carregou memórias de Shay em um servidor que foi transmitido para todos os Assassinos, deixando-os em desordem temporária.

Curiosidades Editar

  • O nome Shay é a forma latina do galego Séaghdha, que significa "falcão". Seu nome do meio vem do latim Patricius, que significa "nobre". Seu sobrenome significa "filho da corrupção".
  • Foi Shay quem matou Charles Dorian, o pai biológico de Arno, o novo assassino de Assassin's Creed: Unity.
  • O traje de Shay se assemelha com a armadura dos Templários obtido por Edward Kenway.(porém não sendo tal apenas para divulgar o ac rogue que já estava em fase de criação)
  • Shay é o segundo Templario jogável na série Assassins Creed, sendo o primeiro Haytham Kenway. Ele também é o segundo Templario conhecido por ter usado Eagle Vision, o primeiro também foi Haytham.
  • O idioma nativo de Shay era o inglês, mas por ser filho de irlandeses especula-se que possuia fluencia nesse idioma e talvez tivesse domínio em outros idiomas devido ao fato de estar constantemente viajando.
  • Shay foi o quinto templário conhecido a realizar o salto de fé, sendo os outros: Francesco de 'Pazzi, Vali cel Tradat, Haytham Kenway e Daniel Cruz.
  • Shay também é altamente reverenciado entre os templários dos dias modernos, especificamente o Mestre Templário Juhani Otso Berg. Juhani ve Shay como o exemplo perfeito do que um templário deve ser, e idolatrava a ponto do traje de Juhani lembrar um pouco o traje Templário de Shay. Juhani também fez uso das memórias genéticas de Shay para prejudicar os Assassinos, a fim de enfraquecer os assassinos em espírito. Ele carregou as memórias de Shay em um servidor que foi transmitido para os Assassinos, deixando os temporariamente em desordem.
  • Apesar de Juhani ser um admirador de Shay, não foi ele o escolhido para reviver as memórias de Shay em Assassins Creed: Rogue. O escolhido foi um mero Empregado da Abstergo conhecido no jogo como Analista de pesquisa do Helix, ou "Cabeça Oca" por Violet.

GaleriaEditar

ReferênciasEditar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória