FANDOM


Íconedeera-AC3Íconedeera-LiberationÍconedeera-AC4Íconedeera-MemoriesÍconedeera-RenegadoEra-ACiÍconedeera-AssassinosÍconedeera-emdestaque

"Percebo agora que isso vai levar tempo, que o caminho é longo e envolto em trevas. É uma estrada que não vai sempre me levar para onde eu gostaria de ir – e eu duvido que vou viver para ver isso acabar. Mas vou viajar para baixo mesmo assim."
―Ratonhnhaké:ton, 1783.[src]
Ratonhnhaké:ton
ACI-Connor
Informações biológicas
Nasceu em

4 de abril de 1756
Kanatahséton, Mohawk Valley[1]

Informações políticas
Afiliações

Kanien'kehá:ka
Assassinos
Exército Continental (1775 – 1780)
Tripulação do Aquila
Hunting Society
Boston Brawlers
Frontiersmen

Informações do mundo real
Aparece em

Assassin's Creed III
Assassin's Creed: Renegado
Assassin's Creed III: Liberation
Assassin's Creed: Memories

Dublador

Noah Watts

Ratonhnhaké:ton (1756 – desconhecido), muitas vezes conhecido pelo nome adotado de Connor, foi um Mestre Assassino da Irmandade Colonial dos Assassinos durante o período da Guerra Revolucionária Americana. Nascido em uma tribo Kanien'kehá:ka, Kanatahseton, ele é um ancestral de Desmond Miles, através da linha paterna.[2]

Em 1760, quando ele ainda era uma criança pequena, sua tribo foi invadida por Charles Lee e outros membros da Ordem dos Templários buscando o santuário espiritual que seu povo guardava, e então observou sua aldeia ser queimada até o chão e sua mãe morrer.

Crescendo preocupado pelo impacto do mundo exterior no seu povo, Ratonhnaké:ton se juntou a Irmandade dos Assassinos para prevenir os templários de retornarem. Descobrindo que os Templários haviam destruído os Assassinos Coloniais, Ratonhnaké:ton convenceu Achilles Davenport a treiná-lo. Usando Connor como um pseudônimo adotado, ele revitalizou a Irmandade ao recrutar trabalhadores para renovar a Casa Davenport e o navio Assassino, o Aquila. Robert Faulkner subsequentemente o treinou para capitanear o navio, enquanto Ratonhnhaké:ton introduziu mais seis Assassinos na Ordem.

Caçando os Templários, Ratonhnhaké:ton apoiou o movimento Patriota e protegeu George Washington - involuntariamente se tornando uma figura importante na Revolução Americana. No entanto, ele estava em conflito por querer se reconciliar com seu pai, apesar dos avisos de Achilles sobre a futilidade de unir as filosofias dos Assassinos e dos Templários, que no final teve trágicas consequências quando se tornou claro que Haytham se recusou a parar de proteger Lee.

Quando descobriu que foi Washington, e não Lee, que queimou sua aldeia, Ratonhnhaké:ton ficou desiludido com os Revolucionários, mas continuou a usá-los para ajudar na erradicação dos Templários. Ele relutantemente aceitou o pedido de Washington de investigar Benedict Arnold e então da eliminação da Maçã do Éden que ele recuperou. Mais tarde, um incidente fez Ratonhnhaké:ton ficar preso em uma realidade construída pela Maçã, uma em que Washington reinava como rei através de tirania. Eventualmente, Ratonhnhaké:ton escapou dessa realidade e se desfez da Maçã.

Biografia

Início da vida

Nascido de Kaniehtí:io nove meses após o relacionamento dela com Haytham abruptadamente terminar,
Connor mãe

Ratonhnhaké:ton com sua mãe

Connor cresceu na aldeia de sua mãe, Kanatahséton. Sua infância foi passada na companhia de outras crianças de sua aldeia, incluíndo Kanen'tó:kon, com quem ele permaneceu amigo até tarde de sua vida.

Quando Ratonhnhaké:ton tinha cinco anos, ele foi agredido por vários membros da Ordem dos Templários, que estavam procurando rumores de estar perto de Kanatahséton. Ele exigiu saber o nome do líder do grupo, e Charles Lee lhe respondeu, divertido por que ele queria saber. Ratonhnhaké:ton prometeu que iria encontrá-lo, mas o Templário só riu de sua declaração.

"Ratonhnhaké:tón: Qual é o seu nome?
Charles Lee: Meu nome é Charles Lee. Por que quer saber?
Ratonhnhaké:tón: Para poder te encontrar."
―Ratonhnhaké:tón cumpriria mais tarde o que havia dito
Ratonhnhaké:ton teve a vida poupada, embora inconsciente, ele acordou para encontrar sua aldeia em chamas. O evento levou a mãe dele, e, mais tarde, ele próprio a procurar a justiça para seu povo e combater a tirania onde quer que ele visse. Ratonhnhaké:ton também erroneamente assumiu que Lee e seus irmãos templários tinham sido responsáveis ​​pelo ataque.

Juntando-se à Ordem

" - Os outros na aldeia - eles pensaram que isso era algo que eu queria. Algo que eu escolhi fazer. Mas nunca me senti assim. Não, não era uma escolha. Era uma obrigação".

- Ratonhnhaké: ton, na sua busca pelos Assassinos, após ser conselhado por Juno.

ACIII-Remember 7

Ratonhnhaké:ton conhecendo Juno.

Ratonhnhaké:ton permaneceu em sua aldeia até 1769, mas sempre perguntava por que seu povo não foi autorizado a deixar o vale que habitavam. Quando ele tinha 14 anos, ele finalmente ganhou algumas respostas de Oiá:ner, que se encontrou com ele em particular para explicar.

Ela mostrou Ratonhnhaké:ton uma bola de cristal, e disse-lhe que o seu povo tinha sido encarregado de guardar um segredo em suas terras. Ao segurar o Pedaço do Éden, Ratonhnhaké:ton ouviu a voz de Juno, e encontrou-se em pé no Nexus.

Juno levou-o em uma "viagem espiritual", dando-lhe a forma de uma águia como ela e o levou através de uma paisagem enevoada. Ela disse a ele que o caminho que estava a se tomar seria que os templários ganhariam acesso prematuro ao Grande Templo, e trariam o mundo à ruína. Ela o instruiu a procurar um determinado símbolo que o levaria para o caminho certo.

Ao recuperar a consciência, Ratonhnhaké:ton encontrou-se na borda do vale de um rio. Como ele desenhou o símbolo que ele tinha sido mostrado na areia na margem do rio, a Mãe Clã veio por trás dele, e perguntou onde ele tinha visto. Ele explicou que um espírito tinha mostrado a ele, e a Mãe Clã entendeu o que estava sendo pedido dele.

Ela o dirigiu a uma herdade que estava no leste, onde ela afirmou ter visto o símbolo antes, e formalmente

ACIII-BoorishMan 3

Ratonhnhaké:ton conhece Achilles, no entanto, Achilles possivelmente reconheceu a face do menino.

lhe deu permissão para sair do vale. Ratonhnhaké:ton cruzou a fronteira e, finalmente, chegou a uma mansão decadente.

Ele bateu na porta, e foi recebido por um homem idoso. Ratonhnhaké:ton hesitante declarou que tinha sido dito para vir aqui para o treinamento, mas o único homem na mansão negou-lhe e fechou a porta na cara dele. Depois de passar uma noite nos estábulos vizinhos, o jovem Mohawk tentou de novo na manhã seguinte, mas o ancião gritou com ele para sair de sua terra.

Ele persistiu teimosamente, batendo na porta da mansão de volta, e subindo para a varanda para tentar ganhar uma entrada lá, mas o homem interceptou. Ele jogou Ratonhnhaké:ton para o chão e severamente insistiu que deveria seguir em frente, como o mundo em que viviam já havia feito. Ratonhnhaké:ton retornou aos estábulos, chamando de volta com raiva que ele não iria sair até o ancião concordar em treiná-lo.

Naquela noite, bandidos se infiltraram na herdade, e passaram pelos estábulos enquanto discutiam o ataque. Ratonhnhaké:ton, acordado por suas vozes, perguntou o que eles estavam fazendo lá. Os bandidos o atacaram, embora ele foi capaz de afastá-los todos para fora.

No entanto, o líder dos bandidos bateu-lhe por trás, derrubando-o no chão e questionou se ele estava trabalhando para o velho. Naquele momento, o idoso veio ao resgate, e demonstrando gigante destreza, apunhalou o líder dos bandidos nas costas.

Ele ordenou que Ratonhnhaké:ton para limpar a bagunça, então seguí-lo até a mansão para que pudessem conversar. Lá, o homem finalmente disse a ele sobre o conflito entre os Assassinos e Templários, e revelou-se um Mestre Assassino chamado Aquiles Davenport. Ele também mostrou-lhe um quarto escondido no porão da mansão, onde estavam o uniforme de um assassino e um par de lâminas escondidas.

ACIII-BoorishMan 13

Achilles Davenport mostrando à Ratonhnhaké:ton a antiga parede com pintura-retratos, função e hierarquia de cada Templário nas colônias.

Aquiles então o levou a uma parede que continha os nomes e retratos dos líderes templários das colônias, ou seja, William Johnson, John Pitcairn, Thomas Hickey, Benjamin Church, Charles Lee, e o pai de Connor, Haytham Kenway e, Grão-Mestre do Rito Colonial.

Massacre de Boston

Connor: " - Aquele...é meu pai?"

Achilles:"-Sim. O que significa que os problemas estão certos de seguir. Preciso que você corte os cúmplices dele.Essa multidão é um barril de pólvora - não podemos permitir que ele aumente o fusível ".

-- Connor e Achilles durante o tumulto em Boston.

ACIII-TriptoBoston 2

Connor e Achilles em Boston.

Achilles continuou a treinar Ratonhnhaké:ton durante os próximos meses na herdade, começando seu ensino sobre as habilidades vitais que encurtarão a lacuna na experiência entre Ratonhnhaké: ton e seu pai. Em março de 1770, Achilles convidou Ratonhnhaké:ton para acompanhá-lo para Boston, onde podiam comprar suprimentos para reparar a mansão.

Lá, para que Ratonhnhaké:ton se movesse mais facilmente nos círculos coloniais, Achilles sugeriu que ele assumisse o pseudônimo de "Connor", em memória de seu falecido filho, Connor Davenport, morto por uma doença (Varíola) vários anos antes.

Connor ficou impressionado com as vistas e a vida da cidade, tanto que Achilles precisava repreendê-lo por olhar para passar as pessoas da cidade. Achilles, então, dirigiu-o a uma loja geral nas proximidades, onde ele poderia comprar madeira e outros materiais de construção, e mandá-los trazidos de volta à sua carruagem.

Depois de comprar os itens na lista de Achilles, Connor passou por um tumulto, que gritava aos soldados britânicos locais para deixarem Boston. Connor voltou ao lado de Achilles enquanto observavam o tumulto, até que viram Haytham Kenway falar com outro homem na multidão. Achilles, preocupado de que os templários piorassem a situação já delicada, enviou Connor para descobrir o que Haytham e seu associado estavam planejando.

ACIII-TriptoBoston 8

Connor e Achilles observando Haytham e seu associado.

Apesar de querer se aproximar de seu pai, Connor obedecia as instruções de Achilles para seguir o outro homem. Connor o atropelou nos telhados e conseguiu impedir o homem de disparar contra a multidão.

No entanto, Charles Lee, que estava de pé em um telhado do lado oposto da rua, disparou a pistola no ar e fez com que os soldados britânicos atacassem os cidadãos de Boston à queima roupa. Na confusão, Haytham se aproximou de um dos guardas e apontou Connor, levando várias tropas a persegui-lo pela cidade, e depois o acusaram de disparar o primeiro tiro.

Ao conseguir escapar dos guardas, Connor foi abordado por um homem, que o instruiu a procurar alguém que pudesse ajudá-lo, Samuel Adams. Samuel ajudou Connor a limpar seu nome, ensinando-lhe a remover os cartazes queridos e a subornar os criadores de cidades ou impressoras para anunciar falsas propagandas. Depois, Samuel liderou Connor para o porto de Boston, onde ele poderia navegar com segurança para a Herdade Davenport.

Depois de retornar a Herdade, Connor confrontou furiosamente Achilles, acusando-o de abandoná-lo em Boston, mas Achilles calmamente observou que o dia da experiência tinha sido mais valioso do que meses de treinamento. Ao reconhecer suas conquistas, Achilles finalmente confiou Connor com duas lâminas escondidas.

Se tornando um Mestre Assassino.

" - A um tempo atrás tínhamos cerimônias em tais ocasiões. Mas eu não acho que nem eu e você somos realmente chegados a esse tipo de coisa. Você tem suas ferramentas e treinamento. Seus objetivos e metas. E agora você tem seu título. Bem-vindo à A Irmandade, Connor ".

-- Achilles induzindo Connor na Irmandade dos Assassinos.

Pouco depois do retorno de Boston, Connor e Achilles foram alertados por um homem batendo na janela da mansão e pedindo ajuda. Connor imediatamente o seguiu até o rio vizinho, e viu um segundo homem apegado a um tronco à deriva, que estava rapidamente se dirigindo para uma cachoeira. Connor o perseguiu ao longo da margem do rio, antes de pular na água para salvá-lo de cair para a morte dele.

ACIII-RiverRescue 6

Godfrey agradece Connor por ter salvo a vida de Terry.

Depois de descobrir que os dois homens, Godfrey e Terry, eram madeireiros em busca de um lugar para construir um moinho, Connor ofereceu-lhes uma boa localização na propriedade. Pouco tempo depois, Connor protegeu o carpinteiro Lance O'Donnell depois que seu vagão foi atacado por mercenários. Agradecidos, esses homens, ao lado das famílias de Terry e Godfrey, construíram casas na propriedade e se tornaram parceiros comerciais com Connor, além de fornecerem armas especiais, bolsas e consumíveis para o assassino.

Achilles instruiu Connor a conhecer a doca da propriedade, a fim de examinar algo que ele simplesmente chamou de "um bem". Ao chegar, Connor viu os restos de um navio em ruínas, bem como uma pequena cabana com vista para a baía.

Ele e Achilles entraram no barraco e se encontraram com Robert Faulkner, o primeiro imediato do navio no porto, o Aquila. Connor se ofereceu para pagar os reparos, e Robert concordou em reunir uma tripulação para o navio e restaurá-la para a capacidade de navegação.

AC3 Aquila Homestead Bay

O Aquila reformado, com o casco totalmente reforçado, canhões extras e com a direção aperfeiçoada para fortes manobras.

Seis meses depois, depois que o Aquila foi reparado, Robert convidou Connor para que o navio fosse equipado com canhões. Connor se juntou a ele sem hesitação, e os dois estavam no mar durante semanas, onde Robert ensinou Connor a navegar o navio e a disparar os canhões. Depois disso, eles lidaram com alguns corsários, antes de voltarem.

Ao voltar, ele ouviu um homem bêbado gritar sobre cartas que ele possuía, escrito pelo infame William Kidd. Connor logo falou com "Peg Leg", que explicou as letras que ele obteve sugeridas no local de um grande tesouro. Ele os daria a Connor em troca de "bugigangas" de caixas de tesouros escondidas em toda a fronteira americana

ACIII-HardWay 15

Connor recebendo o manto de Mestre Assassino.

Quando ele finalmente voltou para a mansão, Connor foi repreendido por Achilles, que o acusou de sair por tanto tempo sem tanto como adeus. No entanto, Achilles conduziu Connor até o senhorio no subsolo, para conferir a ele as vestes de Assassino. Embora Aquiles admitiu que a Ordem geralmente tinha uma cerimônia para tal ocasião, nem ele nem Connor pareciam ser o tipo de tais coisas. Em vez disso, depois que Connor vestiu as vestes, Achilles simplesmente o recebeu verbalmente na Irmandade dos Assassinos. 

Tumblr inline nvi2ngZkuv1sbw877 500

Comparação feita pelos fãs ao descobrirem a semelhança entre os mantos. O diretor de Assassin's Creed 4, confirmou a ligação.

Não sendo feita a conversa sobre o assunto no jogo, no entanto, para detalhes maiores, as vestes de Mestre Assassino que Connor recebeu eram os restos aproveitados do antigo manto do traídor Mestre Assassino Duncan Walpole reformado para propósitos piratas após sua morte, sem ligação com a Irmandade, pelo avô paterno de Connor: o pirata Mestre Assassino Edward Kenway. Após se aposentar da pirataria,Edward doou seu antigo manto reformado para Achilles que,na sequência, aproveitou a proteção extra que Edward colocou no manto para fazer um único manto, inspirado no exército colonial; Achilles queria dar as vestimentas para seu filho, Connor Davenport. 

Aventuras em terra e em mar

Connor regularmente explorou a fronteira, juntando-se à Sociedade de caça, que o alertaria para animais infames, como o puma que ameaçava crianças de sua aldeia no vale vizinho. Ele também fez amizade com o explorador Daniel Boone, que lhe contou sobre criaturas e eventos misteriosos e sobrenaturais que ele testemunhou, o que Connor muitas vezes investigava e descobriu uma explicação lógica.

Enquanto estava na fronteira, Connor encontrou os fazendeiros Warren e Prudence sendo atacados por

ACIII-Abused 3

Connor convidando Warren e Prudência para morarem na Herdade.

tropas britânicas por se recusarem a produzir seus produtos para eles. Depois que ele afastou os atacantes, eles se tornaram o terceiro grupo a se instalar na Herdade.

Ele também se juntou ao Boston Brawlers ( Guerreiros de Boston em português), eventualmente ganhando um torneio, e foi convidado a se juntar a um clube de ladrões depois que eles perceberam suas habilidades de pega-bolso. Na participação nos clubes, eles posteriormente lhe deram desafios para completar. Connor também explorou os túneis subterrâneos utilizados pelos Freemasons( pedreiros livres em português) que Adams havia mostrado, aprendendo alguns de seus segredos ao usar a lanterna mágica.

Em 1773, Connor assumiu contratos ao longo da Costa Leste para defender o navio mercante Henderson e para caçar o navio corsário,o São Tiago. Ele também navegou para as Bahamas para destruir o Windermere - que carregava a carga dos Templários - e o Leviatã, que carregava um emissário dos Templários. Ao investigar incursões no Martha's Vineyard, Connor e Faulkner encontraram o Fort Phoenix ocupado pelas forças dos Templários; Eles destruíram com sucesso, mas as incursões continuaram no entanto.

ACIII Vessel Fire SS

Connor escapando do destruído Forte Wolcott com o enigma.

Depois de trocar uma barriga, Connor recebeu a primeira das letras de William Kidd de Peg Leg. O documento foi dirigido a um homem conhecido como "Lucky" Lem, que foi preso em Fort Wolcott. Em resposta, Connor infiltrou o forte e recuperou um pedaço de um mapa da célula de Lem, que continha a descrição "Está sob a cama da águia". Connor então escapou enquanto o Aquila abriu fogo, mergulhando no mar enquanto o forte estava em chamas.

A Revolução começa

Festa do chá de Boston

Mais tarde naquele ano, Kanen'tó: kon veio visitar Connor na herdade, trazendo notícias de que William Johnson estava tentando reivindicar a terra de sua nação sem o seu consentimento. Indignado pelo pensamento, Connor imediatamente decidiu procurar Johnson.
ACIII-JohnsonTrail 5

Connor declarando guerra aos Templários.

Embora Achilles tentasse evitar que ele agisse apressadamente, Connor argumentou que ele tinha prometido proteger seu povo. Connor então pegou um machado de Kanen'tó: kon e enterrou sua lâmina em uma das colunas da mansão, explicando que isso significava o início de uma guerra para seu povo e que o machado não seria removido até que o perigo tivesse passado, apesar da perplexidade de Achilles com o dano da propriedade.

Em seu caminho, Connor encontrou uma caçadora chamada Myriam, que havia sido ferida por caçadores na Herdade. Enquanto Achilles cuidava dela, Connor usava os dardos de corda que acabara de receber de seu mentor para tirar os caçadores furtivos, deixando um vivo como um aviso. Myriam se mudou para uma cabana ao norte da mansão.

Maxresdefault-0

Connor se encontrando com Samuel Adams em Boston.

Connor mais tarde se encontrou com Samuel Adams, que se ofereceu para ajudá-lo a encontrar Johnson, mas só depois de ter ajudado Adams a criticar a extorsão de Johnson. Durante sua assistência, Connor conheceu Stephane Chapheau, um taverner francês, e ajudou-o a afastar os coletores de impostos que o perseguiam. Logo depois, Stephane entrou em uma raiva violenta, e causou vários distúrbios em torno de Boston contra os Lealistas.

Depois de encontrar o principal supervisor do transporte do chá, Connor fez com que Stephane o assassinasse, levando-o como aprendiz depois. Mais tarde, Connor voltou a encontrar-se com Adams, que teve como objetivo recrutar o Assassino para despejar o recém-chegado do chá ao oceano, o que Connor aceitou.

ACIII-Teaparty 7

Connor e Stephane Chapeau jogando o chá no porto de Boston.

Durante esse período, Connor protegeu os Filhos da Liberdade durante a festa do chá de Boston, e descartou a última caixa de chá na água como uma demonstração de rebelião, na frente de Johnson, que estava observando a distância. Depois disso, ao ver a opressão das pessoas pelos templários, Connor começou a ajudar pessoas em Boston. Como resultado, ele recrutou Duncan Little e Clipper Wilkinson, levando-os como aprendizes, assim como ele fez com Stephane.

400px-Norristheminerac3

Connor conhece Norris.

Connor também trouxe o mineiro Norris para morar na Herdade depois de ter sido assaltado por soldados bêbados. Os dois se tornaram amigos íntimos, com Connor ajudando Norris a atacar a mão de Myriam em casamento. Mais tarde, ele trouxe o médico Lyle White para morar na Herdade depois que Warren e Prudence recebem a notícia da gravidez. A

Get Me A Doctor 5

O Dr. White auxilia a Warren e Prudência no nascimento da criança.

Herdade expandiu-se quando uma pousada foi criada por Oliver e Corrine.

Em 1774, Kanen'tó: Kon informou Connor que William Johnson estava tentando negociar com os chefes Iroquois em Johnson Hall. Embora Johnson lhes prometeu proteção, os nativos lhe disseram firmemente que suas palavras eram vazias e que não venderiam suas terras para ele.

ACIII-HostileNegotiations 9

Connor ouvindo as últimas palavras de William Johnson.

Como Johnson decidiu convencê-los com violência, Connor imediatamente o assassinou de cima. Em suas últimas palavras, Johnson disse a Connor que não desejava possuir as terras com fins lucrativos, mas para garantir a paz e proteção para todas as nações.

Algum tempo naquele ano, Connor recebeu a carta de Kidd para Abel Owens, que tinha naufragado na ilha Dead Chest, uma grande rocha localizada nas Ilhas Virgens. Uma vez no cemitério do navio da ilha, Connor encontrou catadores que haviam recuperado a porção de Owens do mapa, ao qual ele deu perseguição. Depois que ele os despachou, Connor leu a próxima pista,

ACIII-RuinCerros 10

Connor descobrindo a Espada Dentes de Sabre.

"Perto da morada do lobo". Ele também navegou nas selvas de Cerros, onde recuperou a espada pessoal de William Kidd de uma pirâmide maia.

Acendendo a Guerra revolucionária

Um ano depois, um mensageiro chegou à herdade, com um pedido de Connor para ajudar um homem chamado Paul Revere. Connor recusou educadamente a oferta, franzindo a testa no fato de que os Filhos da Liberdade o confundiram como um dos seus. No entanto, quando Achilles apontou que o templário John Pitcairn foi mencionado dentro da carta, o assassino cedeu.

ACIII-Midnightride 12

Connor e Paul Revere fugindo do ataque surpresa durante o passeio da meia-noite.

Embora tenha se encontrado com Paul Revere, Connor ficou desapontado ao descobrir que Pitcairn não estava presente. Em vez disso, Revere recrutou sua ajuda como cavaleiro para avisar os habitantes de Lexington e Concord sobre o exército britânico entrante; Com a promessa de localizar Pitcairn posteriormente.

Após o passeio, Connor juntou-se ao Exército Continental em Lexington, onde uma sangrenta batalha se seguiu. Pitcairn esteve

ACIII-Conflictlooms 9

Connor explicando seu plano para o recém conhecido General Putnam em Bunker Hill.

presente na luta, mas Connor escolheu ajudar na defesa da cidade, em vez de perseguir seu verdadeiro alvo.

Mais tarde, Connor acompanhou Samuel Adams à indução de George Washington como Comandante-em-Chefe do Exército Continental. No meio do discurso de Washington, Connor ouviu a voz de Charles Lee, que estava sentado atrás dele. Ele imediatamente se levantou para enfrentar Lee, mas Samuel rapidamente interveio, afastando-o e tentando distraí-lo apresentando-o a Washington. Washington cumprimentou-o calorosamente e Connor admitiu que o homem antes dele seria o único a levar o país à liberdade.

Connor1-500x272

Connor analisando o novo Comandante-Chefe, George Washington.

Connor foi dirigido mais tarde a Bunker Hill, onde as forças de Israel Putnam estavam envolvendo as tropas britânicas de Pitcairn. Connor ofereceu a Putnam a sua ajuda para desativar os navios que estavam prendendo as forças continentais com fogo de canhão, já que destruir a artilharia levaria Pitcairn para fora do esconderijo.

AC3GameplayTrailer

Connor surpreende Pitcairn.

Depois que Pitcairn e suas tropas se retiraram para uma posição mais segura fora da cidade, Connor se infiltrou no campo e conseguiu assassiná-lo das copas das árvores acima. Pitcairn deu as mesmas justificativas para suas ações que Johnson e, quando ele morreu, Connor recuperou uma carta de seu corpo que evidenciou um assassinato na vida de George Washington, escapando antes que os regulares pudessem atacá-lo.

Battle of Bunker Hill 9

Últimas palavras de John Pitcairn.

Connor começou a investigar o plano para matar Washington, embora ele não tenha feito muito progresso. Enquanto isso, Connor soube de um segredo que põe em risco o financiamento da revolução: para este fim, ele partiu para afundar o HMS Dartmoor antes de chegar a Boston.

Protegendo George Washington

Mason: "- Esse homem é nosso conservador de Júpiter, destinado a nos guiar não só para a liberdade, mas para a grandeza. Quem diz o contrário é um simplista ou um traidor".

Connor: "- Então você entende por que eu preciso sair daqui. Se eu não o ajudar, ele vai morrer".

-- Mason Locke Weems e Connor discutindo sobre a vida de George Washington.

ACIII-Ontheside 13

Connor sendo preso junto com Hickey.

Em 1776, Achilles contatou Benjamin Tallmadge, um aliado da Irmandade, que conduziu Connor a Nova York em busca de Thomas Hickey. Tallmadge explicou que Hickey era responsável por administrar um cartel de falsificação, e estava planejando assassinar Washington.

Quando Connor chegou à operação de Hickey, ele engatou sua Lâmina Oculta, revelando-se ser um Assassino. Hickey comentou que tinha pensado que o tipo de Connor tinha sido aniquilado, antes de escapar do prédio.

Embora Connor perseguisse Hickey pelas ruas e o pegasse, os dois foram presos por guardas. Por fim, Connor tentou explicar que ele não estava envolvido na operação, mas ele ficou inconsciente, e ele e Hickey foram jogados na prisão de Bridewell por acusações de contra-facção.

Quando Connor acordou na prisão de Bridewell, descobriu que Hickey tinha sido colocado na cela ao lado

Bridewell Prison 2

Connor sendo provocado por Hickey.

dele, muito para a diversão do último. Em resposta, Connor refutou que, pelo menos, Washington estaria seguro com Hickey preso, mas Hickey apenas apontou que os dois Templários se aproximavam de sua cela.

Charles Lee e Haytham Kenway soltaram Hickey, embora dissessem que ele só estava se mudando para uma célula maior, devido às investigações em curso para seu envolvimento em um plano para assassinar Washington.

Assim como os Templários estavam prestes a partir, Hickey perguntou o que havia de ser feito com o Assassino e apontou Connor em sua cela. Haytham instruiu Charles a lidar com o problema, e este prometeu a Connor que ele tinha um plano para ele, o que mataria dois pássaros com uma pedra.

Bridewell Prison 9

Connor conversando com Mason.

À medida que os Templários partiram, Connor espiou os seus companheiros e descobriu que um prisioneiro, Mason Weems, criara uma chave. Connor confrontou Mason e achou que ele era cooperativo depois que ele mencionou a tentativa planejada na vida de Washington, já que Weems acreditava fortemente no papel de Washington na independência do país.

Embora Weems tenha dito que pretendia escapar, a chave que ele havia feito nos últimos meses acabara de ser roubada por outro dos presos. Com isso em mente, Connor roubou a chave de volta, mas descobriu que não abriu sua cela.

No dia seguinte, ele voltou a confrontar Mason, que lhe disse que a chave não deveria funcionar, e que se destinava a ser trocada com a chave real do diretor, então ele não notaria o roubo. No entanto, a única maneira de se aproximar do diretor era acabar no "Pit", uma área de confinamento solitário da prisão. De raiva, Connor começou uma briga com vários prisioneiros, até que os guardas foram obrigados a impedi-lo e jogá-lo no poço.

Lá, Connor trocou as chaves dele e do diretor e entrou furtivamente na parte mais alta da prisão, onde agradeceu a Weems por ajudá-lo e prometeu devolver o favor, antes de ir para a cela de Hickey. Ao alcançá-lo, no entanto, Connor só encontrou o corpo do diretor e se virou para encontrar Lee e Hickey na entrada.

Segurando-o a ponto de armas, os Templários explicaram a Connor que ele seria levado a julgamento por conspirar para assassinar Washington, e que eles estavam pensando em prender o assassinato do diretor sobre ele também.

Bridewell Prison 14

Charles Lee sufoca Connor.

Connor tentou desarmar Lee, mas o Templário só o agarrou pela garganta e o segurou contra a parede. Lee finalmente percebeu que Connor tinha sido o jovem menino que ameaçava há anos e estava alegre com a ironia de que Connor tivesse cumprido a promessa de encontrá-lo. Lee então nocauteou Connor inconsciente, e ele foi arrastado de volta para sua cela.

Connor acordou no dia seguinte e foi transportado para seu site de execução, onde ele foi recebido por Hickey. Embora Connor tenha declarado que ele pensou que seria julgado, Hickey lhe disse com alegria que os julgamentos não eram permitidos aos acusados de traição.

ACIII-Publicexecution 7

Lee discursando no enforcamento de Connor.

Connor foi então conduzido para a forca quando dezenas de espectadores o denunciaram de todos os lados, e Washington, Lee e Hickey olharam. No entanto, quando ele se aproximou da frente da multidão, ele notou vários de seus companheiros Assassinos matando os guardas que negligenciavam o evento e, depois de ser atropelado pelo chão por um dos espectadores, Connor encontrou-se sendo ajudado por Achilles.

O velho aconselhou Connor a simplesmente dar um sinal no momento em que ele queria ser libertado. Embora Lee falou os supostos crimes de Connor para a multidão e colocou a noose sobre seu pescoço, o Assassin deu um sinal de apito assim que o alçapão sob ele foi aberto. O laço foi cortado antes que ele pudesse estrangulá-lo, e Achilles puxou Connor para se levantar debaixo da forca e entregou-lhe seu tomahawk.

Maxresdefault (1)

Últimas palavras de Thomas Hickey.

Connor percorreu a multidão desordenada enquanto seus recrutas enfrentavam os homens de Hickey, indo em direção a Washington, que estava de costas com seus guarda-costas. Hickey correu para Washington em uma tentativa desesperada de assassiná-lo, mas Connor alcançou e atingiu Hickey em primeiro lugar. Com seu último suspiro, Hickey confessou que não se preocupava com a causa dos Templários, e simplesmente os seguiu, já que eles ocupavam o dinheiro e o poder.

Connor então encontrou-se cercado por vários mosquetes levantados, mas Putnam chegou a tempo e ordenou que os soldados continentais baixassem, apontando que Connor acabara de salvar a vida de Washington. De lá, Connor perguntou onde Washington tinha ido, mas descobriu que ele já havia ido para a Filadélfia.

Tanto ele quanto Achilles viajaram para lá, onde Connor decidiu que contaria a Washington sobre o conflito entre os assassinos e os templários, para que o homem entenda melhor o que ele enfrentava. Achilles aconselhou-o a não fazê-lo, afirmando que isso só distrairia Washington.

Uma vez dentro, Connor assistiu à assinatura da Declaração de Independência, reivindicando a liberdade das

ACIII-Publicexecution 14

Connor assitindo a Declaração de Independência junto ao lado dos pais fundadores.

colônias da ocupação britânica, embora Washington já tivesse saído para Nova York antes da sua chegada. Depois que o Exército Continental recuou de Nova York, Connor recrutou os locais Deborah Carter, Jacob Zenger e Jamie Colley como aprendizes, depois que o ajudaram a impedir que os templários explorassem a ocupação britânica da cidade.

400px-Bigdaveac3

O ferreiro David Walston chega a Herdade de Achilles.

Connor também convidou o desertor britânico David Walston, um ferreiro, e a cosmeira Ellen e sua filha Maria para morar na Herdade. Isso provocou ataques de Quincent, ex marido de Ellen, e seus amigos, bem como soldados britânicos que procuram prender Dave por traição, mas Connor liderou a Herdade na defesa de seus amigos. A Herdade também viu a adição de uma igreja durante a guerra, pastoreada pelo padre Timothy.

Connor ajudou a Revolução pela infiltração de fortes, matando os

1141758 1352671824773 full

A igreja é construída na Herdade de Achilles, pastoreada pelo Pastor Timothy.

capitães estacionados lá e reivindicando-os para os Patriotas. Ele ficou de pé em Washington enquanto os Patriotas cruzavam o rio Delaware naquele Natal, durante um ataque surpresa contra os britânicos em Nova Jersey.

Caçando o Randolph

Connor: "- Precisamos descobrir o que Biddle pretende, mas devemos nos apressar. O que mais você conhece de Biddle?"

Faulkner: "- Todo o Congresso repentino tem um navio novo para ele para o capitão. Do coxswain britânico ao capitão de uma Flagship Colonial. Algo não sobe".

--Connor e Faulkner discutindo sobre Nicholas Biddle.

ACIII-Rescue 1

Amanda Bailey informando à Connor e Faulkner sobre os ataques.

Em 1776, Connor e Faulkner se encontraram com Amanda Bailey, perto de Nantucket, que lhes contou sobre ataques contra navios americanos pelo USS Randolph, capitaneado pelo capitão da Marinha Continental, Nicholas Biddle. Eles começaram perseguição ao Randolph, mas foram emboscados entre vários navios templários.Embora que o Aquila afundasse todos os navios com facilidade eles compraram para Biddle o tempo que ele precisava para escapar.

Connor mais uma vez navegou com o Aquila, para acompanhar o navio francês, La Belladonna. Foi sabendo que o Randolph deveria acompanhá-la, mas a deixara sozinha no mar aberto. Como medida de segurança, uma das equipes da Belladonna subiu a bordo do Aquila, pois queria garantir que sua escolta não fugisse como o Randolph. Em breve, os navios templários vieram tentar atacar a Belladona.

Aquila e La Belladonna afundaram vários navios juntos, com o Belladonna afundando pelo menos onze deles, e o Aquila afundando-se muito mais. No entanto, um homem de guerra interveio e destruiu o mastro de La Belladonna.

Connor ordenou que sua equipe disparasse tiroteio e destruiu o mastro do Homem da Guerra, antes de embarcar no navio e matar a maioria a bordo. Depois disso, ele rapidamente alcançou o capitão do navio e o interrogou.

O capitão do Man-of-War revelou que não eram os britânicos que estavam atacando La Belladona, e que Biddle e todos os navios sob seu comando trabalharam para os Templários. Connor rapidamente viu a verdade nisto depois de recuperar um anel com uma cruz templária de sua mão. Depois de lidar com o homem, Connor observou que o Randolph estava perto com o seu monocular. No entanto, ele não conseguiu perseguir, pois ele tinha que proteger a Belladona.

O Aquila lutou contra outro navio britânico na Costa Leste, o Prospector. Mais tarde naquele ano nas Bahamas, o Aquila ajudou a Independência depois que enviou um apelo de socorro e afundou o navio corsário do Somerset.

Achando o tesouro de William Kidd

"- Eu não sei como isso funciona, mas agora entendo por que Kidd valorizou isso".

--Connor ao examinar o tesouro de Kidd

ACIII-ShardofEden 2

Connor obtendo o anel do éden.

Connor navegou para a Passagem do Noroeste, para recuperar o mapa de Hendrick van der Heul do naufrágio Octavius. Ele obteve a peça do mapa do cadáver de van der Heul, assim como o naufrágio começou a afundar nas águas geladas. Ao escapar com sucesso do Octavius, Connor leu a pista da terceira parte do mapa para ser "E a par da rocha que não se encaixa". Ele também navegou no Castelo de Edimburgo, na Jamaica, recuperando a próxima peça do mapa das masmorras do serial killer Lewis Hutchinson. Ao navegar pela mansão e resolver as salas de quebra-cabeças dentro, a peça do mapa final dizia "Perto de uma árvore beijada pelo fogo".

Depois de finalmente obter todas as peças do mapa de Kidd, Connor e Faulkner reuniram o documento e determinaram que o tesouro de Kidd estava localizado na Ilha do Carvalho. Navegando lá em 1777, Connor rapidamente calculou os enigmas de Kidd para encontrar o sumidouro que ele enterrou seu tesouro. Conseqüentemente, afastando um grupo de lobos, Connor e Faulkner colocaram explosivos para abrir o sumidouro, antes que o Assassino fosse no subsolo para procurar. Ao atravessar precariamente as cavernas de calcário debaixo da Ilha do Carvalho, Connor encontrou o tesouro de Kidd - um anel simples - suspenso entre os cristais.

Ao recuperá-lo, no entanto, a estabilidade das cavernas subterrâneas piorou, devido aos explosivos utilizados para abrir o sumidouro, provocando um colapso; Felizmente, Connor conseguiu escapar. Faulkner ficou desapontado ao ver Connor emergir com uma mera "moeda", apenas para ficar chocado quando seu campo de energia derrubou sua garrafa de sua mão. Com isso, Connor percebeu o valor do tesouro de Kidd e usavou-o para desviar os disparos a partir daí.

Ao navegar para as Ilhas Virgens naquele ano, o Aquila lutou contra uma frota de navios cajeres conhecidos como Lobos do Mar, bem como o Greyhound e o Orpheus.

Auxiliando Avelina de Granpé

No inverno de 1777, Connor viajou para Nova York e se encontrou com Avelina de Grandpré, uma assassina franco-africana de Nova Orleans. Aveline recrutou a ajuda de Connor na busca de um soldado templário e leal chamado oficial Davidson, do Regimento etíope de Lord Dunmore.

Juntos, eles o seguiram até um forte localizado na fronteira de Nova York. Enquanto Aveline se infiltrava no forte para localizar o Templário, Connor se moveu e desviou a atenção dos guardas de Davidson.

Aveline de Grandpré e Connor

Connor e Avelina tentando chegar ao forte.

Após o confronto com o oficial Davidson, Avelina voltou a se encontrar com Connor. Devido ao seu trabalho recente e às informações aprendidas de Davidson, ela começou a sentir-se insegura sobre os meios e as formas dos Assassinos. Ela perguntou a Connor se ele acreditava que lutar como um Assassino era o certo, mas em vez de escolher os dois lados, Connor respondeu que "confiava em suas próprias mãos" para poder separar o certo do errado.

Trabalhando com Haytham

Apesar de seus sucessos, Connor não chegou mais perto de eliminar a ameaça que os Templários representavam em Washington. Quando o inverno rolou no final de 1777, Connor decidiu ir advertir o homem, embora Achilles tentasse detê-lo, insistindo que os Assassinos trabalhavam silenciosamente e não "anunciavam conspirações dos telhados".

Missing Supplies 1

Connor e Washington conversando sobre o sumiço dos suprimentos e o principal suspeito: Benjamin Church.

Por sua vez, Connor criticou duramente a liderança defeituosa de Achilles dos Assassinos Coloniais, que levaram os Templários a dominar as Colônias. Achilles lembrou-lhe que "a vida não era um conto de fadas e não havia conclusões felizes", mas Connor não acreditava nele, afirmando que isso só era verdade quando homens como Achilles estavam no comando. Quando ele montou seu cavalo, Achilles advertiu severamente Connor que se ele quisesse salvar o mundo, ele deveria evitar destruí-lo no processo.

Connor se encontrou com Washington no campo continental em Valley Forge, onde o comandante estava distraído pensando para onde foi a grande quantidade de suprimentos destinados a suas tropas; haviam sido roubadas.

Washington concluiu que Benjamin Church, um traidor continental que havia sido libertado recentemente da prisão, provavelmente estava por trás do roubo, e então Connor se ofereceu para investigar. Washington enviou Connor para uma igreja abandonada nas proximidades, onde atividade suspeita havia sido relatada.

Missing Supplies 2

Connor é encurralado por Haytham.

Connor chegou para encontrar a casa da igreja aparentemente vazia, mas, ao entrar, foi emboscado por seu pai, Haytham Kenway. O assassino conseguiu escapar de seu alcance e os dois se rodearam, com Connor acusando Haytham de verificar se Benjamin Church havia roubado provisões suficientes para seus irmãos do Exército britânico.

No entanto, Haytham corrigiu sua desilusão de que os templários trabalhavam para os britânicos e admitiu que Benjamin Church se voltou contra os templários e o exército continental. Haytham sugeriu então uma trégua momentânea, uma vez que ambos desejavam localizar a Igreja...e que era reponsabilidade do Grão-Mestre a volta dos assassinos às colônias americanas e disse que seu filho ainda pode ser salvo da ignorância que se encontra.

Ele dois caçaram os homens de Church através da fronteira e, eventualmente, foram levados à Smith and Company Brewery em Nova York. A reputação de Haytham permitiu-lhe passagem gratuita, embora Connor insistiu em não entrar sozinho, dizendo que eles deveriam continuar juntos ou não. Assim, para que ele passasse inquestionável, Connor se disfarçou como mercenário, e Haytham apresentou abertamente o Assassino aos guardas como seu filho. Possívelmente,a fama de Connor ainda ser chamado pelo sobrenome inglês tenha vindo da aliança com seu pai.

ACIII-Foamandflames 2

Connor coloca a culpa pela morte da sua mãe em Haytham.

No interior, Haytham perguntou casualmente a Connor sobre sua mãe, como Kaniehtí:io tinha cortado todos os laços com Haytham pouco depois da concepção de Connor. No entanto, o Assassino só respondeu que tinha sido assassinada sob suas ordens, muito para o choque de Haytham. Para isso, Haytham afirmou que ele não encomendou tal coisa, embora Connor tenha ignorado os protestos de seu pai, e apenas afirmou que ele acabou por perdão.

Eles avançaram para confrontar Church, mas o homem dentro do armazém revelou-se um chamariz e sinalizou uma emboscada. O Assassino e o Templário lutaram contra os mercenários com êxito e questionaram um deles para descobrir que a tropa continental forneceu e o próprio Igreja acabou de sair em um navio chamado O Welcome.

Pouco depois, os atiradores dispararam barris próximos de pólvora e incendiaram o prédio, forçando Connor e Haytham a escapar saltando através de uma janela bloqueada e dentro da água abaixo, depois de ter corrido livremente no armazém em chamas.

Caçando Benjamin Church

Connor empregou o Aquila para perseguir o navio de Church, e depois de encurralar o outro navio, eles conseguiram quebrar seus mastros com tiros encadeados. Quando se aproximaram, Haytham empurrou Connor do timão e empurrou o Aquila para o Welcome; provocando uma briga instantânea entre as duas tripulações.

Connor matou o oficial a bordo, antes de seguir seu pai abaixo dos decks. Lá, Kenway filho encontrou seu pai batendo violentamente em Church e repreendendo-o por sua traição da Ordem dos Templários. Connor conseguiu conter o temperamento de seu pai, e ele se agachou próximo a Church para questioná-lo pessoalmente.

Na sua recusa de falar, o Assassino o esfaqueou com sua Lâmina Oculta, e Church revelou com sua respiração moribunda que os suprimentos haviam sido depositados em uma ilha vizinha, a Martinica. Ele também tentou justificar suas ações e afirmou que o rei George tinha todo o direito de se sentir traído, e que os britânicos não estavam sem causa.

Deois de este evento, Connor começou a acreditar que havia possibilidade de que assassinos e templários pudessem se unir, devido aos seus ideais e crenças semelhantes.

Confrontando Biddle

Connor: "- Seu reinado sobre a costa colonial chegou ao fim".

Biddle: "- É por isso que você me perseguiu? Porque você me achou inimigo da causa? Você é MAIS  tolo do que me disseram que era!."

--Biddle repreende Connor em seus últimos momentos

Em 17 de março de 1778, o Assassino localizou o Randolph e a perseguiu durante uma noite tormentosa. Biddle levou-os a uma emboscada, e o Aquila logo foi cercada pelo Randolph e dois apoiando o Man-of-War. Apesar das dificuldades serem empilhadas contra Connor e Faulkner, o Aquila afundou tanto o Man-of-War quanto destruiu o mastro de Randolph com um único lado.

A partir daí, a tripulação do Aquila embarcou no Randolph e matou muitos no navio de Biddle. Apesar disso, Connor correu direto para Biddle, e lutou com ele enquanto sua tripulação observava. Durante a luta, uma explosão fez com que ambos caíssem no convés e continuaram o duelo na barriga do navio.

Quando ele feriu mortalmente Biddle, Connor afirmou que o reinado sobre a costa colonial tinha terminado, a que Biddle respondeu que Connor era tolo acreditar nele um inimigo e pediu que ele fosse afundar com seu navio. Connor cumpriu seu último desejo, muito para o desânimo de Faulkner, que acreditava que o Randolph teria feito um bom prêmio.

Alianças quebradas

"- Um aviso para vocês dois - escolha me seguir ou me opor e eu vou matar você".

--Connor, para Haytham Kenway e George Washington.

Algum tempo após o assassinato Benjamin Church e Nicholas Biddle, Connor decidiu novamente procurar Haytham, na esperança de aliar mais permanentemente suas ordens. Depois de pedir desculpas por suas palavras ásperas, Connor se reconciliou com Achilles, e então apresentou a idéia de unidade para ele.No entanto, Achilles desaprovou abertamente, insistindo que era impossível trabalhar ao lado dos templários e que os objetivos dos assassinos nunca poderiam ser realizados com Haytham ainda vivo.

Connor, no entanto, rastreou Haytham até Nova York, onde o Templário estava trabalhando na descoberta dos planos do Exército britânico. Haytham ficou frustrado ao descobrir que seus espiões não sabiam quais eram os planos e que só lhes havia dito para aguardar ordens de cima.

Connor apontou que simplesmente significava que precisavam rastrear os comandantes britânicos, e o casal procurou uma reunião dos comandantes da Igreja da Trindade, que foi queimada pelo Grande Fogo de Nova York. Depois de emboscá-los, Haytham e Connor conseguiram deter três dos comandantes, o último tendo sido recapturado durante uma tentativa de fugir.

Dentro de seu quarto em Fort George, Haytham questionou cada um deles, e os três revelaram os planos das forças britânicas de se retirarem da Filadélfia e avançar para Nova York nos próximos dois dias.

Haytham insistiu em encontrar-se com Lee em vez disso, mas Connor recusou. Quando Connor explicou a situação a Washington, Haytham deslizou atrás do comandante e tomou a correspondência que ele estava lendo.

Após o interrogatório, Haytham cortou as gargantas dos três, muito para a desaprovação de Connor. Embora enfurecido pelas ações implacáveis de seu pai, Connor voltou sua atenção para questões mais importantes e deixou para alertar Washington dos movimentos das tropas britânicas.

Haytham se perguntou em voz alta o que a nota continha, e leu a Connor que o comandante acabara de ordenar a queima de sua aldeia e a salga de suas terras; Já que muitos dos Kanien'kehá: ka estavam ajudando os britânicos. O Templário também criou a queima de Kanatahséton vários anos antes, de que Washington também havia sido responsável.

Haytham se perguntou em voz alta o que a nota continha, e leu a Connor que o comandante acabara de ordenar a queima de sua aldeia e a salga de suas terras; Já que muitos dos Kanien'kehá: ka estavam ajudando os britânicos. O Templário também criou a queima de Kanatahséton vários anos antes, de que Washington também havia sido responsável.

Raivoso, Connor cortou laços com Washington, muito para a aprovação de Haytham. No entanto, como Haytham pediu que seu filho partisse com ele para falar com Lee, Connor o rejeitou também, acusando corretamente de que Haytham recusou-se dar a informação até que ele se adequasse a seus propósitos. Depois de ameaçar matar os dois homens se eles tentassem segui-lo ou detê-lo, Connor partiu para impedir que os mensageiros que carregassem a ordem de Washington para atacar.

Connor conseguiu matar os mensageiros de Washington enquanto viajava para sua aldeia e chegou a encontrá-lo ileso. No entanto, lá, Oiá:ner informou que Lee já havia reunido vários guerreiros da aldeia para repelir os invasores soldados continentais.

Não desejando que sua aldeia se envolvesse na guerra, Connor nocauteou cada um dos guerreiros se preparando para emboscar os continentes. No entanto, enquanto ele correu para o último, Kanen'tó: kon, ele jogou Connor e o ameaçou com uma faca.

Kanen'tó:kon disse com raiva que ele não deveria ter acreditado que Connor protegeria sua aldeia, acusando-o de se voltar contra seu povo e de ser seduzido pela causa de Washington. Embora Connor insistiu desesperadamente que Lee lhe  alimentou mentiras, Kanen'tó: kon o atacou. Depois de uma luta,Connor foi forçado a matar seu amigo.

Batalha em Monmouth

"- Should you choose to spare Lee's life then I will take it myself. Enjoy your victory, Commander. It will be the last I deliver you."

―Connor to Washington after the Battle of Monmouth.

Connor perseguiu Lee para Monmouth, e chegou a encontrar um contingente liderado pelo marquês de Lafayette. Lafayette disse a Connor que Lee havia mostrado momentos antes para se encarregar; Gritando a todos para avançarem antes de se afastarem. Naquele momento, um grande número de soldados britânicos veio para cercar a área, e Connor se ofereceu para cobrir seu retiro.

Connor e um grupo pequeno da elite de Lafayette impediram o avanço com fogo de canhão, antes de cair também. O Assassino então resgatou vários soldados continentais sendo alinhados para execução em Monmouth, antes de alcançar a força principal do Exército Continental liderado por Washington.

Lá, Lafayette parabenizou Connor por salvar tantas vidas, mas o Assassino só voltou para se dirigir a Washington. Connor disse-lhe que Lee havia traído o Exército Continental; Uma reivindicação que Lafayette apoiou, devido ao comportamento incomum de Lee antes da batalha. Washington disse que iria analisar o problema, mas Connor respondeu com raiva que o tempo para tal tinha passado.

Quando Connor partiu do campo de batalha, ele advertiu Washington que, se o último poupasse a vida de Lee, ele tomaria isso sozinho. A morte de Kanen'tó: kon solidificou seu desejo de matar Lee, e Connor desenhou uma adaga perto do retrato de Lee na parede do alvo.

Investigando o ponto oeste

Washington: "- A quem podemos confiar agora, se os heróis patriotas nos estão traindo ...?"

Connor: "- Você colhe o que você semeia".

--Washington e Connor conversando após a fuga de Benedict Arnold.

Dois anos depois, Washington convidou Connor novamente para tirar espiões que ele suspeitava de planejar assassinar Benedict Arnold. Connor decidiu aceitar a oferta, mas ordenou que Washington nunca voltasse a chamá-lo. Depois de despachar os guardas, Connor foi a Arnold para informá-lo da morte dos espiões.

Depois de ajudar a distribuir pólvora para as tropas, Connor viu Arnold e seu major, John Anderson, se esgueirar para discutir algo. Perseguindo, Connor descobriu que o próprio Arnold era um espião, e Anderson era realmente o Redcoat Major André. Arnold enviou André para entregar uma carta ao general Henry Clinton que ofereceu a rendição de Fort West Point pela soma de vinte mil libras.

Depois de André, Connor testemunhou o espião se corrigindo como um casacos-vermelhos e sendo parado por dois Patriotas, no entanto, André poupou suas tentativas de passar por eles e Connor ordenou a todos os Patriotas ou pesquisassem, e então eles encontraram uma carta.

André foi capturado e Connor confrontou Arnold. O general continental afirmou que a carta era uma farsa e estava instigada como uma reputação como um patriota leal. No entanto, naquele momento, West Point foi atacado por regulares e sem conflitos, Arnold escapou no Abutre.

Depois de defender o forte, Washington chegou para felicitar Connor, o último estava irritado por Arnold ter escapado. Washington lamentou o fato de que ele foi traído por um herói de guerra patriota, ao qual Connor respondeu com raiva "você colhe o que você semeia". Connor então deixou Washington para assistir a licença do Arnold.

Última investida contra os Templários

Batalha de Chesapeak

Connor: "- Mas com Lee ido, meu pai pode ..."

Achilles: "- Ouça-me. Você não chegou tão longe para jogar tudo fora por sentimento mal colocado. Ambos os homens devem morrer".

-Connor,e Achilles no último leito da morte

Em 1781, Connor foi a Achilles, que estava enjoado e morrendo lentamente na cama. Achilles pediu notícias sobre a Revolução e Connor respondeu que os colonos estavam ganhando e que o país poderia finalmente estar livre do domínio britânico. Achilles contou então a Connor que era vital que Haytham e Lee morressem, apesar da contínua crença de Connor de que Assassinos e Templarios poderiam se unir.

Depois, Connor encontrou-se com Lafayette no porão da mansão, onde Connor revelou sua estratégia de entrar em Fort George. Para fazer isso, ele precisaria dos aliados franceses para disfarçarem-se como britânicos para que pudessem disparar contra o forte, dando a Connor a oportunidade de matar Lee no meio do caos. Lafayette concordou com o plano, mas disse a Connor que seria obrigado a ajudar os navios navais franceses em Chesapeake Bay em troca.

Na baía de Chesapeake, Connor capitaneou o Aquila e ajudou os franceses a lutar contra os britânicos, ao lado dos Marseillois e do Saint-Esprit. Logo, devido aos números esmagadores que os britânicos possuíam, ambos os navios franceses foram afundados, e um Man-of-war destruiu todos os canhões a bordo do Aquila.

Os reforços que Lafayette prometeu ainda estavam longe, e a batalha ainda estava furiosa, então Connor foi obrigado a encaminhar o Aquila para o Man-of-War. Ouvindo os sussurros apreensivos de sua tripulação, ele embarcou sozinho no navio inimigo, deixando sua equipe para trás. Connor então matou o capitão do navio, e atirou no cache da pólvora, antes de fugir rapidamente para o Aquila quando o navio britânico explodiu. Um pouco seguro nesse ponto, os reforços franceses chegaram logo depois. A partir daí, Connor solicitou que o almirante principal tivesse os navios levantar bandeiras britânicas, para se aproximar da área que cercava o Fort George sem qualquer problema.

Connor voltou para a Herdade para que o Dr. White pudesse cuidar dos marinheiros feridos. Na mansão, ele achou Achilles falecido depois de escrever uma carta a Connor. A carta afirmou que toda a propriedade de Achilles iria para Connor e que sua aparência na vida do velho lhe deu uma grande esperança para o futuro da nova nação que Connor ajudara a criar. Depois do funeral, Connor e os moradores da casa da Herdade enterraram Achilles ao lado de sua esposa e filho, para serem lembrados como o "Homem Velho na Colina". Posteriormente, Connor desembalou uma pintura que Achilles tinha escondido porque trouxe memórias dolorosas - acabou por ser um retrato de sua família tardia.

Ataque ao Fort George

Haytham: "- Tenho orgulho de você de certa forma. Você mostrou grande convicção. Força. Coragem. Todas as qualidades nobres. Eu deveria ter te matado há muito tempo".

Connor: "- adeus, pai."

-- Haytham em seus últimos momentos com Connor.

Tendo prometido que faria Achilles orgulhoso, Connor entrou no distrito militar através do metrô de Nova York, Connor acendeu o sinal para que os navios disparassem, chamando um cerco da fortificação. Contudo, Connor foi preso no bombardeio e ferido. Limpando o Forte George através de um buraco criado pelas balas de canhão, Connor encontrou-se confrontado por seu pai, que havia previsto a chegada de Connor e tinha enviado Lee para longe.

Depois de um duelo entre os dois, Haytham segurou Connor pela garganta e começou a estrangulá-lo. Em parte através de um discurso sobre os objetivos sem esperança de Connor, seu filho o esfaqueou na garganta. Nas suas palavras moribundas, Haytham afirmou que ele estava, de certo modo, orgulhoso de Connor, e que ele deveria tê-lo matado muito antes.

Posteriormente, Connor recuperou o jornal de Haytham e leu sobre a trágica infância e vida da traição, descobrindo também que salvou a vida de Connor: Haytham foi quem jogou uma faca na corda do cadáver durante execução de Connor, cortando completamente a corda depois Dos aprendizes de Connor terem disparado uma flecha e ela não ter cortado a corda.

Além disso, Connor aprendeu que Haytham fingiu ignorar a morte de Kaniehtí:io assumindo que Connor nunca acreditaria que Washington fosse responsável. Com este conhecimento recém-descoberto, Connor marcou seu pai fora da parede alvo sob a mansão com "Sakataterihwáhten", para significar seu arrependimento por seu erro, mas ainda permaneceu resoluto em sua decisão de apoiar a Ordem dos Assassinos.

Confrontando Lee

Lee: "- Mesmo aqueles homens que você procurou salvar lhe deram as costas. No entanto, você luta, resiste. Por quê?"

Connor: "- Porque ninguém mais irá!"

--Charles Lee e as últimas palavras de Connor entre si.

Após o encontro, Connor raspou a cabeça em um estilo moicano e manchou o rosto com tinta de guerra. Confrontando Lee no enterro de seu pai, Connor foi imediatamente capturado devido a seus ferimentos. Lee, enfurecido com a morte de Haytham, declarou que manteria Connor vivo para que este pudesse assisti-lo destruir tudo o que ele já amou. Charles então saiu, ordenando que os guardas fecessem com Connor como desejassem, para o qual começaram a baterem nele. Em sua fuga, Connor matou os guardas e mais tarde embarcou num navio da prisão furtivamente e soube que Lee estava em Boston antes de matar o oficial líder a bordo.

Pagando a um mestre do porto, Connor soube que Lee tinha fugido para Monmouth. Lá, Connor encontrou Lee no Last Drink Inn, ainda sangrando, mas bebendo silenciosamente. Ao detectar Connor, Lee ofereceu a Connor sua bebida, que Connor aceitou. Os dois sentaram-se por um tempo, observando os clientes.

No final, Lee olhou para Connor e assentiu ligeiramente. Isso indicou Connor para esfaquear Lee no coração, matando-o de uma vez por todas. Logo depois, Connor recuperou a chave para o Grande Templo do corpo de Lee, antes de colocá-lo na mesa como um patrono que simplesmente tinha muito para beber, a que o Assassino imediatamente deixou.

Em Boston, Connor encontrou Charles nas docas, que correu ao vê-lo, resultando em uma perseguição que levou a um navio em construção, que havia apanhado como resultado de um acidente. Enquanto Connor alcançou Lee no interior do navio, a balsa entrou em colapso, causando mais ferimentos a Connor.

Charles, no entanto, se recuperou e perguntou por que Connor continuou a lutar apesar de ser detestado em todos os pontos, mesmo pelos próprios homens que ele procurou salvar. Connor respondeu, gritando: "Porque ninguém mais irá!" E atirou Lee no estômago. Machucado, Lee escapou da balsa ardente.

Assegurando o futuro

"- Nunca será suficiente. Você se esforça para o que não existe. Ainda assim, você fez a diferença. E você fará isso de novo".

-Juno falando sobre Connor durante seu encontro final.

Seis meses depois, Connor voltou para sua aldeia para descobrir que seu povo havia saído. Ele falou com um homem de fronteira solitário sentado junto a um fogo, que revelou que o povo de Connor tinha ido para o oeste e que um homem em Nova York tinha recebido a terra pelo recém-formado Congresso.

Quando Connor perguntou como isso aconteceu, o homem da fronteira lhe disse que o país não tinha a Inglaterra para fornecer mais recursos, e que o Congresso precisava fazer as próprias coisas. Ele afirmou que o governo americano vendeu as terras por fundos, pois seriam demais como a Inglaterra se eles começassem a impor impostos, chamando os Fundadores de "bem espertos esses nossos líderes".

A forma física de Juno apareceu para ele e informou Connor que ele precisava pegar a chave que ele tirou de Charles e esconder onde ninguém jamais procuraria novamente. Ainda confuso sobre por que ele precisava esconder, Juno disse a Connor que ele só precisava esconder e ele seria livre para viver sua vida.

Connor entrou então na casa larga onde ele se encontrou com a Mãe do Clã há muitos anos, e abriu a caixa contendo a Bola de Cristal, confundida quanto ao porquê foi deixado para trás. De repente, o artefato disparou e Juno voltou para ele novamente. Ela ficou satisfeita por saber que Connor havia retornado. Irritado, informou-lhe que seu povo foi expulso por aqueles que ele havia considerado seus aliados.

Embora Connor tenha questionado Juno sobre seu povo, ela lembrou seu propósito; Para proteger o Grande Templo. Ela elaborou que eles cumpriram seu papel, embora Connor soubesse que não era suficiente para ele, e Juno lhe disse que a justiça completa não existia, mas ele havia feito a diferença, e faria novamente. Mais uma vez, ela lembrou-o de esconder o amuleto onde ninguém a acharia, e então a visão de Connor desapareceu com a Bola de Cristal se desintegrando.

Depois disso, Connor voltou para a Herdade Davenport e enterrou o amuleto no túmulo de Connor Davenport, filho de Achilles e seu homônimo. Depois, ele tirou os retratos dos Templários e os queimou no fogo. Voltando para fora, Connor recuperou o tomahawk da coluna que ele implantou há uma década, significando que sua guerra acabou e atirou-a para o lado.

De lá, Connor partiu para Nova York e chegou no dia da Evacuação, quando o último dos navios britânicos partia para a Inglaterra. Quando os colonos os provocaram da terra, o navio disparou uma advertência que afundou no oceano. Connor virou-se e sorriu para a liberdade dos colonos, mas também viu um homem que vende escravos africanos, lembrando-o de que nem todos na terra nova tinham liberdade ainda.

Durante seu tempo na cidade, Connor também se encontrou com Washington para jogar boccia. Ele perguntou a Washington o que ele faria agora se a guerra terminou: quando Washington respondeu que planejava se aposentar, Connor expressou sua decepção e argumentou que deveria continuar a liderar o país, tanto em paz como em guerra.

Preso em um mundo alternativo

Algum tempo depois, Connor estava acampando na fronteira, quando Washington o procurou por ajuda. O comandante explicou que ele estava atormentado por pesadelos horríveis, que ele revelou foram causados por uma maçã do Éden que ele se recuperou de um oficial após o cerco de Yorktown. Connor convenceu Washington de entregar-lhe a maçã, mas enquanto tirava a maça das mãos, a dupla encontrou-se numa linha ilusória da maçã.

Acordando em um outro mundo

"- Mãe! O que você está fazendo aqui?"

-- Ratonhnhaké: ton, expressando sua confusão ao ver sua mãe de novo.

Ratonhnhaké:Ton foi despertado por sua mãe, Kaniehtí:io, que o alertou para uma ameaça na floresta. Ao segui-la, Ratonhnhaké: questionou Kaniehtí: por quê ela estava viva e o que estava acontecendo, embora ele não recebeu nenhuma resposta. Em breve, eles encontraram uma emboscada Bluecoat atacando uma mulher nativa americana. Depois de despachar os soldados, a mulher advertiu Kaniehtí: que o rei George estava procurando por ela e atacou a cidade de Concord. Ratonhnhaké: tonelada e Kaniehtí:io então, partiu para Concord para tentar salvar as pessoas da cidade, enquanto via Ratonhnhaké: uma vez mais questionou sua mãe sobre por que a mulher chamou Washington de "rei". 

Quando alcançaram o topo de uma colina, o casal testemunhou um grupo de Bluecoats forçando as pessoas da cidade à igreja e barricando a porta, enquanto o líder das tropas exigia que os cidadãos o informassem sobre o paradeiro de Kaniehtí: io. Devido ao fato de os habitantes da cidade insistirem em não conhecerem sua localização, os Bluecoats incendiaram a igreja. Em resposta, Ratonhnhaké: ton e sua mãe rapidamente emboscaram os homens de Washington e liberaram as pessoas da cidade, apenas por uma explosão de canhão para matar o grupo antes que pudessem escapar. 


Encontro com o Rei Washington

 Ratonhnhaké: ton: "- Comandante Washington! Por que você está fazendo isso? Concluímos tanta coisas juntos! Adote seus sentidos!"

Washington: " - Outro selvagem delirante. Eu nunca tive uma compreensão tão firme em meus sentidos. Agora dobre seu joelho para o seu monarca e faça penitência nos dos seus últimos momentos antes de ser expulso da sua cabana pavorosa".

-Ratonhnhaké: ton e King Washington em sua reunião. 

Após essa tragédia, Kaniehtí:io instou Ratonhnhaké a seguir, dizendo que não podiam parar em meio ao conflito para lutar nas perdas.O casal então aventurou-se através da Concord para desativar os canhoneiros Bluecoat, antes de transformar os armamentos nos reforços em direção à cidade colonial. 

Ao despachar as tropas e os mensageiros que passaram, ambos os nativos se dirigiram a Lexington, onde conheceram o rei Washington pessoalmente. Lá, ele renovou sua intenção de destruir Kanatahséton e saiu, deixando Kaniehtí: io e Ratonhnhaké:ton atras para evitar que os corredores Bluecoat acendam barris de pólvora e causem mais baixas. 

De lá, Kaniehtí: io insistiu para que os dois voltem a avisar a aldeia de Kanien'kehá: ka do ataque iminente de Washington, mas eles foram emboscados na floresta por perto e tiveram que recorrer a defender-se até dois guerreiros de Kanatahséton, Kahionhaténion E Teiowí: sonte, ajudaram. Apesar de sua assistência, quando Kaniehtí: questionou sua aparência e foi informado de que eles foram enviados pela Mãe do Clã para colher ingredientes para um chá sagrado de dar força, ela reagiu com raiva ao ouvir falar disso. 

Mais tarde, Ratonhnhaké: ton e Kaniehtí:io voltaram para sua aldeia, onde Ratonhnhaké: testemunhou que sua mãe discutia com Oiá:ner sobre o chá de ervas feito do Saudinho Vermelho da fronteira, com Oiáker contrariando que o Kanien'kehá: ka Precisava para se preparar para o ataque de Washington. 

Kaniehtí:io repreendeu essa afirmação afirmando que, no final, as conseqüências do chá teriam sido muito severas para justificar a sua utilização. Eventualmente, ela invadiu e, quando Ratonhnhaké:ton a seguiu até a casa larga, Kaniehtí: deu-lhe um par de lâminas escondidas que seu pai tinha deixado para ele, embora ela tenha mostrado pouca surpresa em como Ratonhnhaké:ton estava familiarizado com a arma. Ratonhnhaké:ton entao tentou explicar que toda a situação estava errada, mas antes que ele pudesse terminar, os casacos- azuis atacaram. 

O recém-nomeado Rei Washington, acompanhado por Benedict Arnold e o General Putnam, matou a mãe de Ratonhnhaké:ton à explosão de um cetro contendo uma maçã do Éden. Enraivecido e chateado, Ratonhnhaké: ton atacou Washington, apenas para ser facilmente derrotado pela maçã a partir da qual o poder se originou. Retardados no chão, enfraquecidos e vulneráveis, Ratonhnhaké:ton foi posteriormente disparada duas vezes e esfaqueou com um mosquete em seu peito por Washington, ao qual ele entrou em estado de inconsciência. 


Fazendo a jornada do Espírito

"- Desculpe, mãe. Devo falar com Washington, para entender isso, é o único caminho".

-Ratonhnhaké: ton, pedindo desculpas a sua mãe por ter bebido o chá. 

Quando Ratonhnhaké: ton acordou em uma caverna, passaram cinco meses. Lá, a Mãe do Clã disse a Ratonhnhaké:ton o que aconteceu, e ela notou que não estava surpresa ao testemunhar a morte de sua mãe; Na verdade, ela declarou que ele tomou muito seu assassinato. 

A Mãe do Clã instruiu a Ratonhnhaké:ton para escalar o Salgueiro Vermelho da fronteira, arrancar seus galhos virgens e beber o chá do salgueiro elaborado por eles.

Atendendo suas palavras, Ratonhnhaké: ton ingeriu o chá e vomitou violentamente, embora ele tenha se atrevido em uma jornada espirituosa.

No final da visão, Ratonhnhaké: ton ganhou a habilidade de se tornar invisível à vontade, além de convocar um grupo de lobos para emboscar seus inimigos.

Pouco depois, ele foi convidado por um dos seus colegas guerreiros, Kahionhaténion, para ajudá-lo a localizar e resgatar seu irmão, Teiowí: sonte. Os dois rastrearam o irmão de Kahionhaténion e descobriram que ele estava amarrado junto com outros membros da aldeia, que estavam alinhados para serem executados. Uma vez que Ratonhnhaké: Ton e Kahionhaténion libertaram seu povo, Ratonhnhaké: Ton foi instruído a retornar à Mãe do Clã para instrução adicional.

Caçando Benedict Arnold

Quando ele voltou ao seu esconderijo, Ratonhnhaké: ton descobriu que todos os aldeões haviam sido abatidos, junto com uma Mãe do Clã moribundo. Em suas últimas palavras para Ratonhnhaké: ton, Oiá: ner disse-lhe para matar Washington, bem como Israel Putnam e Benedict Arnold, terminando o que sua mãe tinha começado.

Ela também lhe disse que Kaniehtí:io estava certa em se preocupar com o chá e advertiu-o a respeitar seu poder. Com uma solene promessa de cumprir seu pedido, Ratonhnhaké: tonelada infiltrou Valley Forge, arrastou Israel Putnam para uma fortaleza e descobriu Benedict no centro da fortaleza. Uma vez que seus guardas foram derrotados, Ratonhnhaké: ton confrontou Benedict Arnold e o feriu mortalmente.

Antes que Arnold morresse, Ratonhnhaké: ton disse que esperava muito tempo para matá-lo por sua deserção ao Exército britânico, embora Arnold estivesse confuso com isso e protestou que nunca tinha pisado dentro de West Point. Arnold afirmou ainda que ele estava sendo controlado por Washington e disse a Ratonhnhaké:ton liberar Benjamin Franklin em Boston, mas morreu antes que ele pudesse dizer mais.

Sem o conhecimento de Ratonhnhaké: ton, Putnam se aproximou por trás e golpeou-o com força na cabeça com a ponta da pistola, tornando-o inconsciente. Uma vez completamente acordado, Ratonhnhaké:ton percebeu que ele havia sido capturado e estava sendo transportado em um comboio em direção a Boston. Ao longo do caminho, Putnam revelou suas intenções de assumir Boston, provavelmente pretendendo obtê-lo como uma recompensa por entregar Ratonhnhaké:ton para Washington.

Procurando Franklin

Ao chegar em Boston, Putnam apresentou Ratonhnhaké:ton em uma cela para Washington e Franklin. Surpreso ao ver que ele sobreviveu ao último encontro, Washington ordenou que Ratonhnhaké:ton seja decapitado quando eles saíram. Na solidão e preso, Ratonhnhaké:ton distraiu os guardas tornando-se invisíveis, antes de trancá-los em sua própria cela quando entraram para investigar.

Depois disso, Ratonhnhaké:ton descobriu Kanen'tó:kon na cela vizinha, e soube que seu amigo tinha se juntado à resistência de Samuel Adams. Posteriormente, Ratonhnhaké: liberou-o e recuperou seu próprio equipamento, durante o qual Kanen'tó: kon percebeu um frasco do chá do Red Willow. Decidindo que ele deveria empreender sua própria jornada espiritual para ajudar, Kanen'tó: kon tentou beber a mistura, embora lembrando as palavras de Oiáker e de sua mãe, Ratonhnhaké: interrompeu-o insistindo que seria muito perigoso.

Respondendo a isso, Kanen'tó:kon revelou que vários espíritos animais poderiam ser atendidos através do consumo do chá, então Ratonhnhaké:ton se ofereceu para que ele o bebesse, já que ele já estava familiarizado com o mundo espiritual e poderia lidar com os riscos do chá. Viajando para o mundo do céu mais uma vez, Ratonhnhaké: a tonelada encontrou um espírito águia e ganhou a habilidade de voar distâncias curtas.

Ratonhnhaké:ton acordou, assim como os casacos-azuis liderados por Franklin chegaram para impedir sua partida. Usando seu novo poder para garantir a fuga de seu amigo e amigo, Kanen'tó: kon lutou contra os soldados restantes enquanto Ratonhnhaké: perseguiu Franklin e abordou-o em um telhado. Dazed, Franklin começou a acordar do controle de Washington, mas foi interrompido quando o próprio rei se teletransportou e atacou Ratonhnhaké:ton.

No entanto, agora armado com o poder do lobo e da águia, Ratonhnhaké: ton teve um tempo mais fácil atacando Washington, que foi forçado a escapar, lançando ilusões dele provocando Ratonhnhaké e Kaniehtí:io expressando raiva de seu filho por beber O chá do Red Willow. Enquanto Washington conseguiu escapar, Kanen'tó: kon e Adams mais tarde encontraram Ratonhnhaké:ton inconsciente nas ruas, ao que o despertaram e levaram-no para uma casa segura.

Ratonhnhaké:ton estava determinado a encontrar Franklin, e foi informado de uma taberna na qual ele poderia ouvir informações. Evitando os soldados suspeitos jogando um jogo de damas, ele escutou em um mensageiro que foi enviado para entregar uma carta a Putnam por Franklin. Pickpocketing a carta, Ratonhnhaké: aprendeu que Franklin planejava encontrar Putnam nas docas, antes de substituir o documento para garantir sua entrega. Lá, apesar do encontro de Franklin dar errado, Ratonhnhaké:ton capturou Benjamin depois de atirar ele duas vezes com flechas, finalmente liberando-o do controle de Washington, antes de levar o ex-tenente do rei a Adams.

Escapando de Boston

Irritado pela presença de Franklin, Adams ficou céptico com a mudança de coração do homem e queria que ele morresse, embora Ratonhnhaké:ton convença Adams de que Franklin tinha informações úteis para compartilhar com a resistência: Franklin imediatamente lhes disse que Washington tinha ido a Nova York para lidar com Os rebeldes lá.

Desprezivelmente deixando Franklin em cuidado de Ratonhnhaké:ton , Adams e Kanen'tó: kon planejava se dirigir para Nova York através do Boston Neck, graças a um simpático capitão casaco-azul, onde poderiam juntar-se aos rebeldes de Thomas Jefferson. Franklin informou-lhes que criou um meio especial de proteção para o palácio de Washington em Nova York e, para ignorá-lo, eles exigiriam um metal especial de um ferreiro fiel.

Ratonhnhaké: ton conheceu o ferreiro - que acabou por ser David Walston -, mas aprendeu que ele usou o metal para sapatos de cavalo para um soldado de alto escalão em Fort Hill. Depois de Ratonhnhaké:ton a tonelada roubou o cavalo, Franklin tirou os sapatos do cavalo e depois pediu que ele obtivesse seu diagrama de um oficial na taberna.

Ratonhnhaké:ton encontrei o oficial, que o informou de um massacre no Boston Neck. Ele explicou que Putnam tinha começado um rumor de que o capitão do Boston Neck era amigável com os rebeldes e afirmou ter testemunhado a morte de Adams. Enfurecido por sua regozijação, Ratonhnhaké: ton bateu-o com uma tábua de damas e imediatamente bateu os outros soldados na taberna.

Depois de tomar o diagrama, Ratonhnhaké: ton correu para Boston Neck e verificou a tragédia para si mesmo, encontrando o tomahawk de Kanen'tó:kon e dois dedos separados, junto com o uniforme sangrento e sangrento de Adams. Ratonhnhaké: ton voltou a Franklin, informando-lhe a perda deles, e acrescentou que a dupla teria que sair pelo mar.

Para fazer isso, Ratonhnhaké: ton tomou o uniforme de um casaco-azul para que Franklin o levasse a um excelente navio que ele conhecesse e guardasse o Pai Fundador ao longo do caminho. Nas docas, encontraram um bêbado Robert Faulkner, que tinha a Aquila confiscada por Franklin. Ratonhnhaké: Ton prometeu a Faulkner que Franklin tinha ligado o rei e tinha como objetivo provar isso ao retornar o navio. Enquanto Faulkner reuniu uma tripulação, Ratonhnhaké: ton tirou os atiradores nas docas e soltou as cordas encostando o Aquila.

Naquela manhã, os marinheiros de Faulkner carregaram as docas, mas descobriram que a Aquila tinha se afundado no mar aberto. Para proteger sua fuga, Ratonhnhaké: ton afundiram os soldados de Washington enquanto a tripulação nadava até o navio, até Putnam surgir, segurando Kanen'tó: kon como refém. Putnam ameaçou atirar nele a menos que Ratonhnhaké:ton desistiu, mas usou o Eagle Flight para surpreender Putnam e assassiná-lo.

Enquanto ele morreu, Putnam reconheceu o controle de Washington, mas se sentiu culpado, culpando-se pelo mal que a maçã simplesmente havia desencadeado dentro dele. Depois, Ratonhnhaké: ton e Kanen'tó: kon fizeram seu intervalo para a liberdade, esquivando o fogo do mosquete e mergulhando na baía.

Chegando em Nova York

Mais tarde, a bordo do Aquila, Kanen'tó: kon pediu desculpas, explicando que Putnam torturou-o até que ele sugerisse que os rebeldes escapariam pelo mar, mas Ratonhnhaké:ton respondeu sem rodeios que ele não se importava. Então, quando a Aquila chegou à baía de Nova York, os dois olharam admirados ao verem a Pirâmide de Washington. De repente, os navios do rei começaram a atacar: Ratonhnhaké: ton tomou a roda e afundou sua frota, e ordenou que a equipe recuperasse suas bandeiras para disfarçar seu navio. Depois de navegar por um campo de minas em torno de Manhattan, a Aquila devastou outra frota, mas ficou sem poder de fogo. Ratonhnhaké:ton a tonelada deu a ordem de abandonar o navio e empurrou a Aquila para um Homem-de-Guerra enquanto a tripulação nadava.

Depois de encontrar-se em terra firme, Ratonhnhaké: ton descobriu Kanen'tó: kon morreu protegendo Franklin de Washington. Irritado, Ratonhnhaké:ton tomou o chá e passou outra jornada espiritual. Apesar dos protestos do fantasma de sua mãe, ele encontrou o espírito do urso e ganhou o poder de criar ondas de choque. Essa habilidade também transformou seus olhos de forma anormalmente azul. Despertando, Ratonhnhaké: ton e Franklin foi em busca dos rebeldes de Jefferson, e o encontrou levando um ataque ao pátio da pirâmide, que estava falhando devido a suas saídas serem bloqueadas. Ratonhnhaké:ton usou seu poder para abrir um caminho de fuga, juntando Jefferson no processo.

Guerra em Washington

Jefferson informou Ratonhnhaké:ton eles precisariam influenciar as pessoas para se juntarem à rebelião: ele sugeriu remover John Fitzwilliams, um vendedor oficial de comida a preços inflados. Ratonhnhaké: ton o rastreou até sua base de operações e o assassinou e pediu a um civil - que fosse Warren - para ajudá-lo a entregar comida aos civis famintos. Ratonhnhaké:ton afastou-se dos soldados tentando impedir que a carruagem de Warren chegue ao mercado: uma vez lá, Jefferson começou a ganhar o favor do povo, ao qual Ratonhnhaké:ton brincadeiras tinham sido compradas com algumas cenouras.

Depois, Ratonhnhaké: ton continuou a criar agitação para Washington, destruindo estátuas do rei, explodindo canhões, assassinando oficiais, atacando criadores de cidade e soldados pendurados nas ruas com o dardo de corda. Inicialmente, parecia não ter efeito sobre o poder do rei, como Ratonhnhaké: ton e Franklin assistiram a uma manifestação onde Washington declarou que iria invadir a Inglaterra. Com o passar do tempo, civis começaram a combater soldados nas ruas.

Jefferson enviou Ratonhnhaké: ton para iniciar a queda de Washington ao resgatar um espião capturado no distrito militar. O espião - Godfrey - plantou explosivos na base da torre onde o exército manteve sua munição, que Ratonhnhaké: ton detonou, derrubando a torre.

Na manhã seguinte, os casacos-azuis e os rebeldes entraram em confronto diante da Pirâmide de Washington. Franklin lhe deu a chave que ele fez em Boston para entrar na sala do trono do rei. Ratonhnhaké: ton usou suas habilidades para rastrear como sua mãe se infiltrava na pirâmide para roubar a maça, permitindo que ele viajasse até o topo da pirâmide, onde Washington estava aguardando.

Morte de um Rei

Antes de começar sua batalha, o rei perguntou ao assassino o que faria com o poder da Maçã, ao qual Ratonhnhaké:ton respondeu que não o usaria para escravizar as pessoas como Washington havia feito. Ratonhnhaké:ton eventualmente derrotou o rei, quebrando o teto do vitral da pirâmide, e os dois caíram na sala do trono.

Um ferido mortalmente Washington caiu no seu trono com a Maçã. Quando Ratonhnhaké:ton aproximou-se, visões de Kanen'tó: kon e Kaniehtí:io pediu-lhe que não tomasse a Maça, enquanto uma visão final de si mesmo exigia que ele a tomasse.

Aproveitando a Maçã, Connor e Washington foram devolvidos à sua própria realidade, e a Apple caiu no chão em um flash de luz. Os dois se olharam com desconfiança, cautelosos com o que tinham visto o outro capaz. Washington eventualmente cedeu e transformou a Maça em Connor, que por sua vez declarou que nenhum homem deveria possuir tal poder. O comandante sugeriu que o deixasse cair no oceano com um peso antes de sair.

Algum tempo depois, Connor levou o Aquila para o mar. Ele examinou brevemente a Maçã, selada e ponderada em uma bolsa, antes de deixá-la no mar.

Vida Posterior e Reconstruindo a Ordem

Em algum momento logo após a guerra, Connor, agora O Mentor da Irmandade dos Assassinos Americanos, tentou recrutar uma jovem escrava fugitiva chamada Patience Gibbs, mas ela lutou contra ele. Connor escreveu uma carta para Aveline em 1784, acreditando que ela poderia ter mais sucesso em convencê-la a juntar-se aos Assassinos. Depois de Aveline ajudar Patience a ajudar a matar seu mestre, Edmund Judge, Patience concordou em acompanhar Aveline para Herdade de Connor.

Ionhiote

Connor mais tarde casou-se com uma mulher nativa de uma tribo próxima e teve um filho e duas filhas; sua filha mais nova se chamava Io: nhiòte(se pronuncia io-nee-hio-de). Em abril de 1796, ele levou Io:nhiòte longe da aldeia de sua mãe para ensiná-la a rastrear e caçar, apesar da tradição da tribo sobre o treinamento das mulheres. De seus três filhos, ela era a única com a visão de águia. Enquanto eles estavam caçando um veado, a jovem agiu imprudentemente e caiu de uma pequena gota de penhasco, torcendo o tornozelo. Connor analisou a situação do tornozelo e disse à Io:Nhióte que iria no riacho e trazer um pouco de água. Connor deixou sua filha para trás para procurar água fria no rio, a fim de tratar o inchaço.

Enquanto ele estava ausente, Io: Nhiòte notou patas de lobo frescas nas proximidades e tentou avisar seu pai da presença do predador, mas ele estava muito longe. No céu, a filha de Connor viu uma águia acima dela e, em sua angústia, ela de alguma forma se conectou com o pássaro. Voltando para Connor, a Águia gritou um aviso exatamente quando o lobo pulava no Assassino enquanto ele estava coletando água do riacho. Connor matou o lobo com sua lâmina escondida e descobriu que o lobo estava irritado por uma ferida ferida depois de ser baleado por um mosquete. Voltando a Io:Nhiòte ele ficou impressionado ao descobrir que estava ciente de seu encontro com o lobo porque viu através dos olhos de uma águia. Percebendo a extensão do seu potencial, Connor afirmou que ele tinha realmente um ótimo interesse em treinar sua filha.

Connor se tornou tão famoso dentro da Irmandade que chegou a ser considerado pelo Assassino Pierre Bellec, professor de Arno Dorian (Assassino que atuou durante a Revolução Francesa) um dos Assassinos Lendários ao lado de Altair e Ezio.

Em março de 1804, Connor tinha contactado Eseosa, membro dos Assassinos do Haiti, e ofereceu-lhe um treinamento complementar, na sequência de contribuição deste para a Revolução Haitiana.

Legado

As ações de Connor permitiram que seu descendente, Desmond Miles, encontrasse a chave do Grande Templo através do Animus e proteja a Terra do Segundo Desastre. Ele também erradicou a maior parte da influência e controle da Ordem dos Templários na América colonial com seus assassinatos de seus líderes e, em seguida, impediu que Washington fosse corrompido pelo poder da Apple, como foi mostrado na linha de tempo alternativa, onde ele nunca se tornou assassino.

Juntamente com isso, seu trabalho nas cidades coloniais de Boston e Nova York fortaleceu a Irmandade com mais recrutas e ajudou as pessoas da região. Seu apoio ao Exército Continental levou a muitas vitórias, eventualmente permitindo que os colonos norte-americanos se separassem dos britânicos. No entanto, no processo, seu trabalho permitiu que os americanos forçassem seu povo mais para o oeste, longe de sua terra natal.

Como o capitão do Aquila, Connor foi um dos principais contribuintes para a segurança das passagens comerciais para São Agostinho, Louisbourg, as Bahamas e as Ilhas Virgens, eliminando os corsários que derramavam navios. Como dono das terras da Homestead, ele também ajudou vários colonos que estavam enfrentando dificuldades em toda a área.

Depois que Abstergo recuperou o corpo de Desmond, eles carregaram as memórias de Connor em seu servidor em nuvem. Depois de ver as gravações, seus analistas optaram por não fazer nenhum produto sobre ele, decidindo que sua personalidade estóica e seu fundo nativo o tornariam pouco atraente para a maioria dos telespectadores. Seu casamento com uma mulher loira desconhecida, sua subseqüente separação com sua esposa levando seus filhos e deixando Connor o resto de sua vida sozinho foi uma propaganda supostamente mentirosa da Abstergo.

Sua contribuição para restaurar a presença Assassina nas Treze Colônias, levou-o a se tornar amplamente reconhecido entre os Assassinos em todo o mundo. Em 1776, Charles Dorian, um assassino francês, comentou sobre o sucesso de Connor no assassino-virado-Templário Shay Cormac, afirmando que os esforços de Connor no combate ao Ritmo Colonial da Ordem Templária frustraram seus planos para influenciar a Guerra Revolucionária Americana.

As ações de Connor também serviram como justificativa para o fanatico Pierre Bellec, outro membro do ramo francês da Irmandade, que os usou ao lado das realizações de Altaïr Ibn-La'Ahad e Ezio Auditore da Firenze, como exemplos de como suas ações De envenenamento do Mentor francês Mirabeau foram destinados a destruir os assassinos franceses, a fim de reconstruí-los mais fortes do que antes.

Personalidade e características

309px-Connor by Okmer

Connor era um guerreiro honrado, com um forte senso de moralidade e de heroísmo. Ele apareceu pensativo e intenso, e as palavras que ele não falava eram tão significativa quanto as que ele fez. Seus movimentos pareciam os de um predador, permanecendo sempre baixo para o chão e se movendo sob os ataques do inimigo. Ele acreditava firmemente na defesa tanto na de sua herança indígena e do país de envolvimento europeu, que ele considerou ser "forasteiros". No entanto, ele também reconheceu o fato de que, devido à sua ascendência, ele era parte do problema que ele procurou resolver.

Equipamentos e habilidades

Connor tem abilidades de parkour incríveis, capaz de subir em árvores e balançar de um galho para outro, bem como escalar ravinas e outros elementos naturais. Ele pode mover-se através da paisagem urbana facilmente, e é capaz de deslizar sob abóbadas ou sobre obstáculos dentro de ambientes urbanos. Acompanhando a sua capacidade de se mover fluidamente, Connor foi capaz de empunhar várias armas - incluindo uma machadinha, arco, pistolas de pederneira, rifle,dardos, corda, e hidden blades. Ele poderia exercer dupla combinações de várias dessas armas, com a sua ambidestria ajudá-lo a fazê-lo eficientemente. Ele tem uma constituição física forte e pesada, dando-lhe vantagem em combate, mas levando-o a fazer um esforço, quando em corridas e saltos. Connor era um predador especializado, e, muitas vezes caçava animais de forma semelhante ao alvos de assassinato,. Rastreamento e captura de vários tipos que encontrou do outro lado da fronteira. Sua grande força também significava que ele era perito em combate corpo-a-corpo com os animais perigosos como ursos, alces e pumas, e foi capaz de atingir golpes fatais atacando lobos e linces. Ele também possuía uma habilidade extra-sensorial rara conhecida como Sense Eagle. Em termos de roupas, Connor foi na maioria das vezes vestido com um casaco do branco com capuz e forro azul, bem como uma faixa vermelha fina presa com uma insígnia Assassina, e botas marrons com perneiras que se estendiam passado dos joelhos.No entanto, durante suas viagens no Aquila, Connor usava um casaco azul e chapéu tricorne. 

Curiosidades

  • Connor kenway
    O seu nome indígina é Ratonhnhaké:ton e deve ser pronunciado "Rádonráguedón".
  • Os seus movimentos se assemelham ao de um predador.
  • Connor entrou na ordem dos Assassinos em 1770.
  • Assim como Desmond, Altair e Ezio o significado do seu nome está ligado ao seu caráter.
  • Achilles escolheu o nome Connor para Ratonhnhaké:ton pois ele possuia um filho que também se chamava Connor porém ele morreu de febre tifóide logo após a Guerra Franco-Indígena.
  • "Connor" é um nome gaelico que significa "Amante de Lobos"
  • "Kenway" é um nome inglês antigo que significa "Lutador Corajoso".
  • "Ratonhnhaké:ton" é um nome Mohawk que significa"Vida Arriscada".
  • Ao contrario de Altair e Ezio, Connor não possui cicatriz no lábio, semelhante ao Aquilus outro ancestral de Desmond.
  • Connor é ambidestro assim ele pode usar uma arma em cada mão ao mesmo tempo.
  • O sobrenome Kenway não é um nome criado por Connor e sim o sobrenome de seu pai Haytham Kenway
  • Diferente de outros assassinos,Connor apenas recebeu seu treinamento a cerca de seus quinze anos de idade.Apesar deste contratempo,ele se mostrou incrivelmente competente ante suas tarefas,aprendendo rápido e evoluindo singularmente.
  • Devido a sua época de atuação,a dificuldade de suas desventuras,e seu tempo de treino, Connor se mostrou um dos melhores assassinos da ordem.
  • Connor não tem nenhuma semelhança com águias como Altair e Ezio, mas quando ele se encontra pela primeira vez com Juno ele se transforma em uma águia para se comunicar com ela.
  • Se Assassin's creed III Liberation for sincronizado com Assassin's creed III de PS3, Connor passa a ser jogável em uma missão especial, mas nunca foi explicado a razão do ultilizador do Animus conseguir reviver uma memória do Connor.
  • A Interação entre Haytham e Connor é muito parecida com a de William e Desmond, especialmente pelos dialogos muitos parecidos entre eles. A personalidade de Haytham é mais parecida com a de William, e a de Connor é mais parecida com a de Desmond.
  • Ratonhnhaké:ton era bílingue, falava mohawk e inglês, que pode ter aprendido com membros da sua tribo, que podem ter aprendido o idioma para poderem conversar com os brancos com o objetivo de evitar conflitos, sendo que sua mãe também era bilíngue. Curiosamente o Animus não possuia o mohawk no seu banco de dados, por isso não o traduzia, apenas o legendava para o usuário. Por ter feito amizades com pessoas de diferentes nacionalidades Connor poderia conhecer palavras em francês, irlandês e alemão sendo incerto se chegou a ter total fluencia nestes idiomas.
  • Apesar das constantes brigas com Aquiles, Connor tinha grande consideração com ele, o que pode ser visto no funeral dele quando Connor diz que senti falta dele tanto quanto sua mãe, o que da a ideia de que Connor o considerava como um pai já que seu verdadeiro pai nunca esteve com ele. Além disso ele prometeu a Aquiles que o iria fazer orgulhoso.
  • Antes do lançamentos do jogo em sua divulgação os produtores chamaram Ratonhnhaké:to de Connor Kenway, o que está errado sendo que Connor nunca assumiu o sobrenome do pai.

Galeria

Referências

LogobrancodoAnimus Uma galeria de imagens está disponível para
Ratonhnhaké:ton

Predefinição:TDRW Predefinição:AC3L

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.