FANDOM


Íconedeera-AC3Íconedeera-RogueÍconedeera-Renegado

Logopequenodawikipédia

A Guerra dos Sete Anos (1754-1763) foi uma guerra mundial e um dos primeiros conflitos militares armados verdadeiramente globais, entre várias nações da Europa, mais notavelmente Grã-Bretanha e França, e suas colônias. Outros beligerantes incluíram Portugal, Espanha, Rússia, Prússia, Áustria, o Sacro Império Romano, e várias tribos iroquesas na América do Norte, como parte do conflito mais local da guerra.[1] Ela também ocorreu no Mar Mediterrâneo, várias trincheiras europeias, colônias africanas rivais e as colônias do leste asiático, incluindo o Oriente Médio, Índia e as Índias Orientais.

A guerra começou em 1754 como resultado da mudança de fronteiras políticas e alianças na Europa, juntamente com os esforços de várias nações para garantir terras além das Treze Colônias da Grã-Bretanha. A guerra não começou em uma escala internacional até 1756 e terminou em 1763 e é quando o conflito recebe seu nome, embora tecnicamente tenha durado nove anos. O combate logo eclodiu na Europa e ao redor da América do Norte; teatros variaram do Canadá às Índias Ocidentais e da costa leste do Atlântico à cidade Russa de Moscou. A infame Guerra Franco-Indígena fez parte do conflito, especificamente o teatro norte-americano, onde a França aliou-se com tribos iroquesas nativas para parar o avanço britânico para o oeste. Na Europa, a guerra foi amplamente combatida com cercos e fogo posto, juntamente com várias batalhas abertas.

Várias figuras históricas importantes foram envolvidas na guerra, incluindo o futuro Presidente dos Estados Unidos, George Washington; os Templários Haytham Kenway, Edward Braddock, William Johnson, John Pitcairn, e Charles Lee também participaram no conflito, vários deles ganhando reputação, influência e poder do seu envolvimento.[1] O Assassino que se tornou Templário Shay Cormac também foi muito ativo durante a guerra,[2] assim como foi o Assassino francês e soldado Pierre Bellec.[3] Ao fim da guerra, a Guerra de Assassinos contra Templários intensificou-se dramaticamente, e o Rito Colonial da Ordem dos Templários teve tudo, mas destruiu os Assassinos Coloniais.[2]

A guerra terminou oficialmente com o Tratado de Paris em 1763, que concede à vitoriosa Grã-Bretanha e seus aliados várias explorações nas Américas. A Espanha também emergiu um vencedor, e foi dada à Luisiana francesa, entre outras terras.[4]

Apesar de sua vitória, os custos da montagem da guerra da Grã-Bretanha, e seus esforços para recuperar os custos das colônias, eventualmente, contribuiu para um ressentimento colonial crescente; anos mais tarde, isso iria definir o cenário para a Guerra Revolucionária Americana em 1775.[1]

ReferênciasEditar