FANDOM


Íconedeera-UnityÍconedeera-Livro de UnityÍconedeera-Dossiê do FuncionárioÍconedeera-TempláriosÍconedeera-bom

François-Thomas Germain
ACU Render de Germain
Informações biológicas
Nasceu em

17 de abril de 1726
Paris, Reino da França

Morreu em

28 de julho de 1794 (aos 68 anos)
Paris, Republica Francesa

Informações políticas
Afiliações

Templários

Informações do mundo real
Aparece em

Assassin's Creed: Unity
Romance de Unity

Ator

Julian Casey (inglês)
Júlio Chaves (português)

François-Thomas Germain (1726 - 1794) foi um ferreiro de prata francês, um Sábio e o Grão-Mestre do Rito Parisiense da Ordem dos Templários durante a Revolução Francesa.

Após experienciar visões da Primeira Civilização e ler o Codex Pater Intellectus, ele ficou determinado a reformar a Ordem, que ele acreditava que tinha ficado corrupta após eles se aliarem com a aristocracia e nobreza por séculos. Inspirado pelo Grão-Mestre Jacques de Molay que viveu séculos antes, Germain buscou completar o "Grande Trabalho" e criar uma sociedade capitalista para que os Templários pudessem controlar população com maior facilidade.

O Grão-Mestre da época, François de la Serre, considerou as ideias de Germain muito radicais, e o exilou da Ordem. Germain então lentamente começou a se aliar com os conselheiros de de la Serre, e em 1789, ele orquestrou o assassinato de de la Serre no Palácio de Versalhes, efetivamente deixando a maior parte da Ordem sob o controle de Germain.

Com o início da Revolução Francesa, Germain e seus seguidores tiraram vantagem do descontentamento da população pela monarquia, aristocracia e nobreza, e ele e seus seguidores buscaram causar o máximo de caos possível. Assim, a aristocracia e o clero iriam seriam derrubados e a população temeria se virar contra o Estado de novo. Os Templários de Germain roubaram e acumularam uma vasta quantidade de comida, colocando a culpa na família real, eventualmente causando a execução do Rei Luís XVI e da Rainha Maria Antonieta. O Templário Maximilien de Robespierre então deu início ao Reino do Terror, trazendo a Revolução a um período caótico e violento.

Ao longo desses acontecimentos, Élise de la Serre, a filha do Grão-Mestre que Germain usurpou, fez oposição a Germain e a facção de Templários radicais dele. Ela e seu amante, o Assassino Arno Dorian, eliminaram os seguidores de Germain e rastrearam ele até o Templo de Paris em 1794. Após o Grão-Mestre matar Élise com uma Espada do Éden, ele foi fatalmente atingido pela Lâmina Oculta de Arno. Em seus últimos momentos, Germain conseguiu ativar uma visão onde ele falaria com o Assassino, dizendo a Arno que seus objetivos de reformar a sociedade e a Ordem dos Templários já tinham sido completos, mesmo que ele não vivesse para ver o resultado.

BiografiaEditar

Início da vidaEditar

Germain nasceu e reencarnou um Sábio em 1726, o filho de Thomas e Anne-Denise Germain. A família Germain eram uma respeitada e famosa família de ferreiros de prata, e François-Thomas foi treinado por Thomas para continuar o legado da família. Ele tornou-se o ferreiro de prata e escultor real de Luís XVI, o Rei da França, tendo um engenho no Louvre que produzia milhares de artefatos, peças e tapeçarias d prata.

Ele também se juntou aos Templários e tornou-se o braço-direito do Grão-Mestre da época, François de la Serre, junto com os outros conselheiros Charles Gabriel Sivert, Marie Lévesque, Chrétien Lafrenière e Louis-Michel le Peletier. Ele era conhecido por produzir broches de prata com a insígnia Templária neles, que sinalizavam a afiliação de um indivíduo com a Ordem. O Templário britânico Frederick Weatherall foi quem treinou Germain na arte da espada, e os dois ficaram amigos próximos.

Devido a o fato que ele era um Sábio (uma reencarnação de Aita, membro dos Isu) Germain começou a experienciar visões da Primeira Civilização, que ele mesmo descrevia como "grandes torres de ouro e cidades brilhando como prata". Ele não sabia que era um Sábio, e começou a acreditar que ele estava enlouquecendo, essas visões atrapalhando ele quando ele tentava produzir peças de prata.

E então Germain encontrou uma das escrituras de Jacques de Molay, o Grão-Mestre da Ordem durante o fim do Século XIII e início do Século XIV, o Codex Pater Intellectus no cofre no subterrâneo do Templo de Paris. Através desse Codex, Germain aprendeu que os dois eram conectados, pois de Molay também foi um Sábio. Ele ficou determinado a determinar o destino da raça humana do jeito visado por de Molay. Ele acreditava que tirar a aristocracia do poder e dar esse poder a classe média iria criar uma sociedade capitalista que seria mais facilmente controlada.

Germain então contou essas ideias e sugestões para a Ordem, e vários Templários começaram a apoiar Germain. Embora seja considerado um herói para a maioria dos Templários pelo mundo, o Rito Parisiense de de la Serre considerava de Molay uma figura controversa. Os ideais de Germain causaram várias discussões na Ordem entre aqueles que apoiavam Germain e aqueles que não. De la Serre também havia feito uma trégua com os Assassinos, inimigos mortais dos Templários, algo que Germain fez oposição e causou mais discussões na Ordem.

Acumuladores 7

A expulsão de Germain.

Com a intenção de acabar com as discussões, que ele acreditava que iriam levar a um conflito, de la Serre tentou convencer Germain a largar essas ideias de de Molay. Mas Germain persistiu com as ideias, e de la Serre relutantemente expulsou ele da Ordem. Na cerimônia de excomungação, os aliados de Germain estavam com medo de reclamar da expulsão, e a única que reclamou foi Marie Lévesque, mas ela parou de falar quando de la Serre anunciou que qualquer um que apoiasse ele iriam ser expulsos também.

Devastado pela expulsão, Germain começou a acumular várias dívidas, que atrapalharam a carreira de ferreiro de prata real dele. Ele tentou usar as influências monarquísticas para pagar essas dívidas, mas isso era contra as regras do Rei, e após um escândalo em 1765, Germain perdeu sua prestigiosa posição de ferreiro real e foi expulso de seu engenho no Louvre. Isso aumentou ainda mais o seu ódio pela aristocracia e monarquia

Germain caiu na desgraça após perder sua posição na Ordem e sua ocupação como ferreiro de prata real, e ele foi dado como morto pelos Templários após sua expulsão. Não desistindo de seus ideais inspirados nos de de Molay, Germain começou a formar uma conspiração contra de la Serre.

Dominando a OrdemEditar

Para usurpar o comando da Ordem de de la Serre, Germain recrutou vários membros da Ordem, assim como pessoas que ele viu potencial como seguidores eficientes. Ele recrutou Charles Gabriel Sivert, Marie Lévesque e Louis-Michel le Peletier dos membros antigos da Ordem, assim como o Roi des Thunes, Aloys la Touche e Frédéric Rouille como membros novos da Ordem dele.

Em 1789, ele encarregou o Roi des Thunes e Sivert de matar de la Serre na festa de iniciação da filha de de la Serre, Élise, no Palácio de Versalhes. Ele produziu outro broche de prata Templária, esse com veneno na lâmina.

Os Estados Gerais 5

Germain encontrando Arno pela primeira vez.

No dia em que o assassinato iria ocorrer, Germain encontrou Arno Dorian, o filho adotivo de de la Serre e amante de Élise, e eles dois não tinham ideia da identidade de um ao outro. Arno havia confundido a carruagem de Germain pela de de la Serre, quando ele havia tentado enviar uma mensagem do apoiador de de la Serre, Chrétien Lafrenière, ao Grão-Mestre atual.

Sivert e o Roi des Thunes tiveram sucesso em assassinar de la Serre, colocando a culpa em Arno. Eles então informaram Germain do sucesso deles em matar o antigo Grão-Mestre, e com a morte de de la Serre, Germain tomou controle da maior parte da Ordem. Entre tanto, ele ainda tinha alguns seguidores de de la Serre contra ele, liderados por Lafrenière e Élise.

Germain enviou vários de seus seguidores para matar os membros influentes da facção moderada da Ordem, e seus capangas conseguiram assassinar os membros-chave da oposição, matando Jean-Jacques Calvert, Le Fanu, o Marquês de Simonon e o Marquês de Kilmister. Os Extremistas de Germain não conseguiram matar os dois líderes, Lafrenière e Élise, mas sem os outros, a facção moderada estava destroçada.

Revolução FrancesaEditar

Início da RevoluçãoEditar

Agora que a Ordem já estava sob o controle de Germain, ele então começou a pôr o plano maior em prática. Para abolir a monarquia e acabar com o controle na sociedade que a aristocracia tinha, Germain planejava causar uma grande revolução contra o Rei, para que seus seguidores pudessem tomar controle do governo.

Ele agravou a crise econômica da França, sabotando carregamentos de alimentos e assaltando os bancos reais e políticos de Paris. O povo estava indignado com a ineficiência do Rei, e vários protestos começaram a se formar ao longo de Paris e de toda a França.

Todas essas ações eventualmente causaram grupos de cidadãos a se rebelarem contra o Rei e seus aliados, roubando armas dos postos de guardas. Para conseguir a pólvora necessária, uma multidão de revolucionários invadiram a Bastilha, uma fortaleza e prisão e um símbolo da autoridade real em Paris. Após dominarem a Bastilha, os revolucionários mataram Bernard-René de Launay, o governador da Bastilha, e Jacques de Flesselles, prefeito e aliado do Rei em Paris. Isso marcou o início da Revolução Francesa.

A marcha das mulheres a Versalhes de 1789 também foi outro acontecimento importante que contribuiu para o crescimento da Revolução, e enquanto a maioria dos protestantes estavam marchando pacificamente por pão e outros alimentos, Germain enviou alguns de seus Templários para a Marcha, com o propósito de iniciar um protesto mais sangrento e violento. Os Assassinos mataram os seguidores de Germain antes que eles começassem uma revolta entre tanto.

Encontro com ArnoEditar

Em 1791, Arno Dorian, agora um Assassino, caçou os responsáveis pela morte de de la Serre, matando Sivert e o Roi des Thunes como retribuição. Após assassinar o Roi des Thunes, Arno conseguiu recuperar o broche de prata que matou de la Serre. Um de seus novos aliados, o Marquês de Sade, informou que quem fabricou o broche foi François-Thomas Germain. Assim, Arno foi até a casa de Germain para perguntar algumas coisas ao ferreiro de prata.

Infelizmente para Germain, um grupo de Templários leais a Lafrenière invadiram a casa do ferreiro e o trancaram na sala dele, esperando por ordens de Lafrenière. Arno, sem saber das afiliações verdadeiras de Germain, matou todos os Templários lá e resgatou Germain. Germain fingiu ser um ferreiro de prata inocente, capturado por organizações secretas e forçado a fazer armas para elas.

ACU O Ferreiro 1

Germain enganando Arno.

Germain então falsamente deu dicas a Arno que Lafrenière era responsável pelo assassinato de de la Serre, tomando vantagem da determinação de Arno de acabar com o responsável pela morte do pai adotivo. Arno, que acreditou nas mentiras de Germain, matou Lafrenière, e assim todos os Templários que ainda faziam oposição a Germain desistiram, e Élise ficou como a única Templária contra Germain.

Após a morte de Lafrenière, Germain organizou uma reunião Templária no Hôtel de Beauvais, durante um encontro de vários membros do Clube Jacobino, um partido político usado pelos Templários como a organização pessoal deles na política da Revolução. Marie Lévesque informou a Germain que ela havia conseguido aumentar gravemente o preço do grão, para fazer a população se revoltar mais ainda, mas ela também informou que o processo iria demorar muito. Germain disse que esse longo processo seria um preço pequeno que eles deveriam pagar, pois ele queria ver o Rei Luís XVI e a Rainha Maria Antonieta presos e executados, não assassinados.

Frédéric Rouille informou a Germain que o Palácio de Luxemburgo era um dos lugares onde o grão estava armazenado. Aloys la Touche informou Germain das mortes de Sivert e do Roi des Thunes, mas o Grão-Mestre não se importou muito, dizendo que eles já haviam feito as partes dele. Rouille também disse a Germain que Élise ainda estava viva e que ela poderia motivar os seguidores escondidos de de la Serre a se levantar e lutar contra eles. Germain disse que Lafrenière não era mais um problema, e que ele havia enviado homens para matar Élise.

Germain também introduziu la Touche a Maximilien de Robespierre, o líder dos Jacobinos e membro secreto dos Templários, e o homem que Germain planejava colocar no controle de Paris, já que Germain planejava usar os Jacobinos para controlar a França.

O que Germain e os Templários não sabiam, era que Arno estava observando tudo isso, e quando descobriu que Élise havia sido marcada para morrer por Germain, salvou ela dos opositores dela. Quando Arno e Élise descobriram que Germain era o novo Grão-Mestre e o responsável pela morte do pai adotivo dele e do pai dela, ele já havia abandonado a residência dele e se refugiado no Templo de Paris.

Falta de comida e revoltasEditar

Após a reunião, Marie Lévesque começou a acumular grandes quantidades de grão, e aumentar o preço dos que já estavam no mercado. Isso causou revoltas, e a cúmplice de Marie, Flavigny, estava sabotando carregamentos de comida e gerando grande controvérsias contra o Rei.

Em 10 de agosto de 1792, os revolucionários, como consequência dos atos irresponsáveis do Rei e dos Templários, marcharam até o Palácio das Tulherias para capturar o Rei e por um fim definitivo a monarquia francesa, em um evento que ficaria conhecido como a insurreição de 10 de agosto de 1792. Germain tirou vantagem disso e enviou Rouille ao Palácio para roubar as cartas de Mirabeau ao Rei, pegando informações dos Assassinos que ajudariam na luta contra eles. Arno foi entre tanto enviado para o Palácio para recuperar as cartas antes de Rouille, e fez isso com sucesso.

Cerca de um mês depois, em setembro, os Massacres de Setembro começaram, e Germain enviou Rouille para o Grand Châtelet e várias outras prisões, para massacrar os prisioneiros e guardas dessas prisões para aumentar o radicalismo e extremismo na Revolução.

Enquanto isso, o progresso de Lévesque e Flavigny em esfomear a população e colocar a culpa no Rei e nos mercadores reais estava indo bem. Flavigny sabotou diversos carregamentos de comida, mas antes que ela pudesse agravar ainda mais a situação, um grupo de Assassinos liderados por Arno assassinaram ela.

Lévesque transportou todos esses carregamentos para o Palácio de Luxemburgo, e planejou iniciar uma revolta lá. Ela convidou um grande número de nobres e aristocratas para uma grande festa de gala no Palácio, planejando fazer um grupo de pessoas da classe pobre descobrir o grão. Lévesque foi morta por Arno antes que pudesse iniciar uma revolta, mas a morte dela já não importava nada para Germain, pois as classes abaixo da aristocracia já estavam enraivecidas com o Rei por ele ter supostamente acumulado comida deles.

A Execução do ReiEditar

Todos os supostos crimes que o Rei Luís XVI cometeu foram então listados por Louis-Michel le Peletier, Maximilien de Robespierre e outros agentes Templários na Convenção Nacional e na Assembleia Nacional, e o julgamento do Rei aconteceu brevemente depois. Uma votação aconteceu na Convenção, e le Peletier, Robespierre e alguns aliados de Robespierre todos votaram pela execução do rei, e o monarca foi sentenciado a morte em 17 de janeiro de 1793.

Germain planejou atender a execução, e ficou em meio a uma das arquibancadas com a melhor e mais confortável vista da execução. Quando o Rei Luís saiu da carroça pra guilhotina e ficou na plataforma de execução, Germain foi confrontado por Arno, que havia descobrido da presença de Germain após assassinar le Peletier.

ACU A Execução 2

Arno confrontando Germain.

Quando os carrascos se prepararam para executar Luís, Germain explicou seus motivos e objetivos a Arno, dizendo que o motivo pelo assassinato de de la Serre foi para livrar os Templários de corrupção, e então proclamou que com a execução do Rei, a Ordem dos Templários renasceu.

Ele revelou então seus planos quando Luís foi colocado na guilhotina, dizendo que se eles transferissem o poder da aristocracia para a classe média, uma sociedade capitalista iria surgir e eles poderiam controlar a sociedade mais facilmente assim. Quando a lâmina da guilhotina caiu sobre o pescoço do Rei, Germain murmurou que Jacques de Molay estava vingado, antes de fugir da área e deixar Arno para cuidar dos seus guardas.

MorteEditar

Durante o Reino do Terror dos Jacobinos, Germain se isolou no Templo de Paris, uma antiga fortaleza Templária com dezenas e dezenas de guardas sem nenhum ponto fraco. Lá, ele tentou entrar em comunhão com de Molay e encontrou uma Espada do Éden no cofre de de Molay.

Após a dissolução do regime de Robespierre sob Paris, planejada por Arno e Élise e causada pela Guarda Nacional e pelos Sans-culottes, a localização de Germain foi revelada por Robespierre, antes da captura dele, e Arno e Élise se prepararam para infiltrar a fortaleza e matar o Grão-Mestre.

Arno e Élise se separaram em meio a fortaleza, e foi Arno quem encontrou Germain primeiro no topo da torre do Templo. Após uma breve conversa em que Germain disse que sabia que Arno era responsável pela morte de seus seguidores, e então Arno tentou matar ele, mas Germain usou a Espada do Éden para se defender, e se retirou para o cofre de de Molay no subterrâneo do Templo.


O casal então confrontou Germain, com Arno pedindo para Élise distrair o Grão-Mestre. Élise discutiu com Germain sobre os feitos dele, com ela achando que ele fez tudo isso apenas por poder. Germain respondeu dizendo que isso não tem nada a ver com poder, e sim com destruir a corrupção da Ordem dos Templários e da França. Enquanto Germain estava distraído com Élise, Arno conseguiu esfaquear ele três vezes com sua Lâmina Oculta, mas a Espada do Éden que Germain estava usando conseguia parar Arno, com Arno apenas dando ferimentos superficiais a Germain.

Germain então disparou um enorme raio de energia da Espada em Arno, fazendo ele voar até o outro lado do cofre e prendendo ele entre algumas pedras que caíram com o impacto. Devido ao tamanho do raio que ele disparou, Germain ficou mancando. Élise então foi até Arno, que estava encurralado por pedras caídas.

Confrontada pela escolha decisão entre ajudar Arno a se libertar e derrubar Germain com a ajuda dele ou impedindo a fuga de Germain, Élise inicialmente foi ajudar Arno, mas então murmurou uma desculpa para Arno e então foi lutar com Germain. Germain teve que usar a Espada do Éden para se defender de Élise, que era uma espadachim mais habilidosa e jovem que ele. Ela conseguiu acertar a Espada com tamanha força que a Espada ficou instável causou uma explosão de raios massiva, o raio atingindo Élise em cheio na barriga e deixando Germain paralisado no chão com ferimentos fatais. Apenas alguns segundos antes da explosão, Arno conseguiu se levantar, mas chegou tarde demais para salvar Élise.

Mqdefault

Arno assassinando Germain.

Cheio de tristeza, Arno olhou para o cadáver de seu amor, antes de olhar cheio de raiva para Germain, estendendo sua Lâmina oculta e lentamente enfiando a lâmina na garganta de Germain. Enquanto sangrava na realidade, Germain conseguiu ativar uma visão onde ele conversou com Arno, falando sobre as visões que ele teve da Primeira Civilização e os motivos por trás de sua dominação da Ordem dos Templários. Germain explicou ainda mais as razões por fazer a Revolução ficar caótica e violenta. Antes de sucumbir a seus ferimentos, Germain disse a Arno que sua morte não iria parar seus planos, pois ele já havia completado seu dever. Ele então disse a Arno para pensar em tudo que ele disse neste dia quando ele se lembrasse de Élise.

14 anos depois, Arno entrou no Templo mais uma vez, acompanhado por Napoleão Bonaparte. Eles encontraram o cadáver de Germain que havia envelhecido e agora nada mais que um esqueleto, e então partiram o esqueleto de Germain e espalharam os ossos pelas catacumbas de Paris.

LegadoEditar

Já que ele era um Sábio, Germain foi importante para ambos os Assassinos e Templários do Século XXI por causa do DNA da Primeira Civilização que ele possuía. Encontrar a localização do cadáver de Germain através das memórias genéticas de Arno foi uma missão importante dos Assassinos modernos, mas eles deixaram o cadáver para lá quando descobriram que havia sido espalhado entre milhares de ossos pelas catacumbas de Paris, e haveria decomposto horrivelmente desde então.

Mesmo com sua morte, seu objetivo de longo termo de reimpor ordem na anarquia violenta na França após a Revolução iria eventualmente ser completado de um jeito. Em 1799, a Revolução orquestrada por Germain permitiu que Napoleão subisse ao trono e e re-estabilizar a lei e a ordem pela nação.

Personalidade e característicasEditar

Sendo uma das muitas reencarnações de Aita, membro da Primeira Civilização, Germain tinha desprezo pela humanidade, acreditando que ela deveria voltar a ser a raça subjugada que eles foram uma milênia atrás. As crenças dele também foram influenciadas pelas ideologias de Jacques de Molay, outro Sábio.

Germain era extremamente impiedoso, disposto a passar dos limites da humanidade para satisfazer suas ambições, e a humanidade retornada a função de escravos da Primeira Civilização. Isso foi visto durante a Revolução Francesa, onde as conspirações dele causaram milhões de cidadãos inocentes para passar fome, e milhares morrendo durante o Reino do Terror. Ele também expressava pouco remorso pela morte de seus seguidores Templários, até esquecendo e deixando eles para a morte se eles perdessem a utilidade, um exemplo notável sendo Robespierre. Germain acreditava que eram sacrifícios para um bem maior.

Ele também nem ligava tanto para seu próprio bem-estar, calmamente aceitando a morte durante sua conversa final com Arno. Isto acontecia porque ele tinha confidência que outros iriam continuar seu trabalho no futuro, e ele sabia que sendo um Sábio, ele iria eventualmente renascer em outro corpo.

Germain era um mestre de manipulação, capaz de recrutar certos indivíduos tirando vantagem do descontentamento deles com a corrupção da monarquia francesa, como Aloys la Touche e Frédéric Rouille. Ele também conseguiu tirar vantagem da ardente determinação de Arno por redenção pela morte de de la Serre, manipulando o Assassino a eliminar Lafrenière.

Equipamento e habilidadesEditar

ACU O Templo 3

Germain empunhando a Espada do Éden.

Como um Sábio, Germain era capaz de usar artefatos da Primeira Civilização sem sofrer de nenhum efeito prejudicial. Ele conseguia empunhar a Espada do Éden com grande competência, acessando as habilidades de deslocamento físico, criação de ilusões e projetando raios de energia sem nenhum esforço. Germain também era capaz de usar a Espada como uma arma de combate próximo também, conseguindo se defender em uma luta contra Élise, já que ele foi treinado pelo homem que treinaria Élise muitos anos depois, Frederick Weatherall, o fazendo um grande esgrimista.

Como um ferreiro de prata, Germain era um artesão habilidoso, e era capaz de produzir broches de prata com perfeição para os Templários. Esses broches também podiam ser usados em situações de combate, e envenenados se necessário.

Germain geralmente usava uma grande túnica de tecido marrom com um capuz quando em reuniões Templárias, adornada com símbolos Templários. Já antes de tornar-se Grão-Mestre ou quando em situações que não envolviam a Ordem, ele usava um terno preto refinado, sempre com o colar com a cruz Templária.

CuriosidadesEditar

  • De acordo com Bispo, Germain foi o segundo Sábio conhecido a se tornar um Grão-Mestre Templário após Jacques de Molay.
  • Shaun Hastings disse que ele tinha uma das pratas antigas de Germain.
  • Durante a Execução de Luís XVI, Germain murmurou para si mesmo "Jacques de Molay, tu estás vingado." Uma lenda recorrente Templária da vida real diz que durante a execução, um Maçom francês segurou a cabeça do rei e gritou "Jacques de Molay, thou art avenged!"
  • Germain é apenas parcialmente baseado no ferreiro de prata François-Thomas Germain da vida real. Seu personagem, perfil e natureza derivam do Conde de St. Germain.

ReferênciasEditar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória