FANDOM


Íconedeera-Altair's ChroniclesÍconedeera-AC1Íconedeera-BloodlinesÍconedeera-AC2Íconedeera-RevelationsÍconedeera-Cruzada SecretaÍconedeera-RevelaçõesÍconedeera-Quadrinho FrancêsÍconedeera-AssassinosÍconedeera-emdestaque

Logopequenodawikipédia
Assassinos Levantinos
Insígnia Síria-R2
Informações organizacionais
Fundador

Hassan-i Sabbāh

Título de líder

Mentor

Sede

Alamut (sede da facção original)
Masyaf (sede até 1257)
Jerusalém (após 1257)

Locais

Terra Santa

Organizações relacionadas

Vigilantes
Resistência Cipriota
Assassinos Otomanos

Informações históricas
Data de formação

1050

Data de reorganização

1191, 1257

Informações adicionais
Membros notáveis

Hassan-i Sabbāh
Al Mualim
Altaïr Ibn-La'Ahad
Malik Al-Sayf
Abbas Sofian
Darim Ibn-La'Ahad

"Laa shay'a waqi'un moutlaq bale kouloun moumkine."
―O Credo dos Assassinos Levantinos.[src]

A Irmandade dos Assassinos Levantinos, antes conhecidos como Hashashin ou simplesmente Assassinos Levantinos, foram a guilda dos Assassinos localizada no Levante e em suas proximidades. Seu membro mais notável é o lendário Altaïr Ibn-La'Ahad, que realizou um progresso intenso nas estratégias, regras e ideais da Irmandade ao longo de sua vida.

Eles foram a única facção dos Assassinos a serem (temporariamente, no entanto) um Estado e organização oficial, reinando sobre Alamut no Norte da Pérsia. Consequentemente, também são a única facção dos Assassinos a serem registrados na história, mas retornaram à discrição e submundo em 1257. Os inimigos jurados dos Assassinos, os Templários, fizeram a mesma coisa, fundando uma organização cristã, a Ordem dos Cavaleiros Templários.

Durante o Século XII, o líder Assassino conhecido apenas como Al Mualim deixou seus superiores na Pérsia para fundar Masyaf, a fazendo o lar da Irmandade Levantina, independente de Alamut e com seus próprios líderes, domínios e táticas. A presença temida deles fez com que ambos os Sarracenos e Cruzados atacassem Masyaf diversas vezes, falhando em todas. Eles também, através de Al Mualim e Altaïr, mudaram como a Terceira Cruzada transcorreria através dos assassinatos de figuras poderosas.

Em meio a tudo isto, Al Mualim estava planejando trair ambos os Assassinos e os Templários, usando Altaïr para eliminar os nove Templários que outrora trabalharam com Al Mualim para então usar a Maçã do Éden para esmagar ambos os Sarracenos e os Cruzados e trazer o que ele chamava de paz mundial. Felizmente, Al Mualim foi impedido de concluir seu objetivo por Altaïr, que logo em seguida assumiu as rédeas da Irmandade. Usando o conhecimento ganho através da Maçã do Éden, Altaïr formulou inúmeras novas táticas de assassinato e mistura, e inventou novos dispositivos. Ele também alterou os ideais primitivos e radicais da Irmandade a ideais que refletiam o status deles como agentes da liberdade e livre-arbítrio.

No entanto, alguns Assassinos mais conservadores e brutais, liderados por Abbas Sofian, traíram Altaïr e conspiraram contra ele, eventualmente tomando controle da Irmandade em 1228 ao matar os maiores aliados de Altaïr e exilar-lo. O período posterior foi de trevas, com Abbas e seus capitães esquecendo tudo que os Assassinos lutavam por, quebrando o Credo inúmeras vezes. No entanto, uma quantidade significativa de Assassinos ainda tinham honra, e quando Altaïr retornou em 1247 (aos 82 anos), eles o apoiaram em tomar controle de Masyaf e restaurar a Irmandade. Embora alguns dos Assassinos corruptos tivessem recuperado sua honra e juntado-se Altaïr no retorno dele, alguns ainda permaneceram vis e tiveram que ser executados, entre eles o próprio Abbas.

Após a reforma da Irmandade, Altaïr decidiu que sendo uma organização oficial e soberana ia contra os ideais dos Assassinos, e durante um ataque do Império Mongol em Masyaf, eles abandonaram a cidade e debandaram a Irmandade como uma organização oficial, virando uma organização secreta novamente. Eles também ajudaram na disseminação da Irmandade ao longo do Globo, e através dos irmãos Nicolau e Matteo Polo, renasceram na Itália e na Europa.

HistóriaEditar

Em breve

MembrosEditar

  • Altaïr Ibn-La'Ahad: Mestre Assassino de 1189 à 1191, e Mentor desde 1191 até 1228, e depois até 1257. Figura lendária entre os Assassinos.
  • Al Mualim: Membro dos Hashashins originais, até partir para o Levante e fundar Masyaf, servindo como o Mentor de 1162 até traição e morte em 1191.
  • Abbas Sofian: Assassino e rival de Altaïr, usurpando a Irmandade em 1228 mas sendo morto em 1247 por Altaïr e seus apoiadores.
  • Mujir: Mentor dos Assassinos Levantinos durante o início do Século XVI.
  • Malik Al-Sayf: Mestre Assassino em 1191, Dai após ser mutilado e braço-direito de Altaïr de 1191 até seu assassinato por Abbas em 1225.
  • Maria Thorpe: Antes uma Cruzada e Templária, Maria abandonou seus ideais originais e juntou-se aos Assassinos, casando-se com Altaïr.
  • Hassan-i Sabbāh: Fundador original dos Assassinos da região, na Pérsia.
  • Darim e Sef Ibn-La'Ahad: Filhos de Altaïr e Maria.
  • Rauf: Instrutor de combate dos recrutas.
  • Jabal: Rafiq de Acre.
  • Tazim Al-Sayf: Filho de Malik e sobrevivente da conspiração de Abbas.
  • Harash: Antigo braço-direito de Al Mualim, até trair a causa Assassina e ser assassinado em 1190 por Altaïr como retribuição.
  • Swami: Músculo de Abbas, matou Malik, Sef, Rauf e Maria, mas foi morto por Altaïr como retribuição.
  • Kadar: Rafiq de Jerusalém.
  • Hamid: Rafiq de Tiro.
  • Kadar Al-Sayf: Irmão mais novo de Malik, morto no Templo de Salomão em 1191 por Robert de Sablé.
  • Haras: Antigo membro da Irmandade, juntou-se aos Templários e liderou o ataque a Masyaf em 1189, onde morreu.
  • Jamal: Guarda do portão de Masyaf, traiu os Assassinos junto de Masun mas foi poupado por Al Mualim.
  • Labib: Instrutor de treino antigo de Altaïr e Abbas.
  • Umar Ibn-La'Ahad e Ahmad Sofian: Pais de Altaïr e Abbas, respectivamente.

Aliados e fantochesEditar

  • Adha: Antiga amante de Altaïr, depois revelada como o Cálice.
  • Resistência Cipriota: Um grupo discreto formado por habitantes de Chipre, que ajudaram Altaïr em derrubar a influência Templária na ilha.
  • Ricardo I, Coração de Leão: Não necessariamente um aliado/fantoche, mas permitiu Altaïr matar de Sablé e impediu o ataque eminente dos Cruzados e Sarracenos à Masyaf.
  • Mukhlis: Mercador de Masyaf.
  • Fajera: Mulher cigana e dançarina em Damasco, que ajudou Altaïr em recuperar a primeira chave para o Templo de Areia na busca pelo Cálice.
  • Masun: Pregador de Masyaf durante a Terceira Cruzada, traiu os Assassinos ao colaborar com Jamal para abrir o portão para os exércitos Templários. Jamal foi poupado, mas Masun foi executado por Al Mualim.

ReferênciasEditar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória